“Vacina é do Brasil, não é de nenhum governador”, diz Bolsonaro | Claudio Tognolli

Metrópoles

Presidente se manifestou pela primeira vez sobre a aprovação do uso emergencial de vacinas contra a Covid-19

ATUALIZADO 18/01/2021 11:31

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES
Em primeiro comentário sobre a para uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores nesta segunda-feira (18/1) que a vacina é do Brasil e tentou desvinculá-la do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

“A Anvisa aprovou, não tem o que discutir mais. Havendo disponibilidade no mercado, a gente vai comprar e vai atrás de contratos que fizemos também, que era para ter chegado a vacina aqui. Então, tá liberado a aplicação no Brasil e a vacina é do Brasil, tá? Não é de nenhum governador não, é do Brasil”, disse ele.

No domingo (17/1), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso emergencial de duas vacinas: a Coronavac, desenvolvida no Brasil pelo farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, e a vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Imediatamente após a autoriz ação da agência reguladora, o governo paulista vacinou a primeira brasileira em território nacional. A enfermeira Mônica Calazans, 54 anos, foi vacinada na tarde de domingo

.

Em coletiva à imprensa, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, criticou o governador João Doria e chamou a ação de “jogada de marketing”.

“O Ministério da Saúde tem em mãos, neste momento, as vacinas, tanto do Butantan quanto da AstraZeneca. Nós poderíamos, tanto num ato simbólico quanto numa jogada de marketing, iniciar a primeira dose em uma pessoa, mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso. Não faremos uma jogada de marketing”, disse o ministro.

Por diversas vezes, o presidente questionou a eficácia do imunizante desenvolvido pelo Butantan e chegou a dizer que o governo federal não compraria “a vacina chinesa”. Os questionamentos fazem parte da estratégia de antagonizar com o tucano João Doria, que pode ser seu principal adversário na disputa presencial de 2022.

A conversa de Bolsonaro com simpatizantes foi registrada em um vídeo de um canal simpático ao presidente no YouTube. A gravação possui cortes.

<!– Composite Start –>
<div id=”M665700ScriptRootC1048891″>
</div>
<!– Composite End –>
error: