Uma "gripezinha" que pode acabar derrubando Bolsonaro: Por Thomas Milz | Claudio Tognolli

Deutsche Welle, por Thomas Milz

Jair Messias Bolsonaro gosta de bater de frente. Essa é a sua natureza, e quem achava que a Presidência da República traria um pouco de sensatez e leveza no trato ao ex-militar se enganou. Isso voltou a ficar evidente em sua fala agressiva de terça-feira à noite e no acesso de fúria direcionado ao governador de São Paulo, João Doria.

Em vez de aproveitar a crise para se apresentar como estadista, Bolsonaro se deixa levar por escaramuças egocêntricas, das quais ele só pode sair perdedor.

Claro que se pode ter opiniões diferentes sobre quanto tempo o isolamento social por causa da epidemia de coronavírus deve durar. Essa questão é debatida em todo o mundo, o que é perfeitamente compreensível. Pois, em todo o mundo, a paralisação da atividade econômica vai lançar as economias numa crise, possivelmente numa recessão.

O Brasil não pode se permitir isso, diz Bolsonaro, e também empresários ligados a ele deram declarações semelhantes. E este é, de fato, um ponto que também deve ser considerado.

Decisivo, porém, é como se abre essa discussão. No caso de Bolsonaro, isso soa tão assustador como as declarações de um de seus apoiadores, o empresário do setor de gastronomia Junior Durski, para quem o Brasil não pode parar por causa de 5 mil ou 7 mil mortes.

Já Bolsonaro falou de uma “gripezinha”, o que, mais uma vez, mostra o grau de empatia de que ele dispõe: zero. Pior ainda, parece não lhe fazer diferença alguma se ele ofende outras pessoas, como os parentes das mais de 50 vítimas que o novo coronavírus já deixou no Brasil.

Mas também na atual situação Bolsonaro é fiel a si mesmo. A diferença é que quando ele elogiou o torturador da ditadura, o coronel Ustra, poucos se incomodaram – a ditadura, afinal, já passou faz tempo. Quando ele atacou os indígenas brasileiros, isso também não incomodou quase ninguém – os índios, afinal, moram bem longe. Quilombolas ele também pode ironizar – afinal, quantas pessoas conhecem um quilombola? No caso do coronavírus, porém, tudo muda: ninguém quer correr o risco de infectar os próprios pais, que poderiam ter uma morte lenta e cheia de sofrimento.

Bolsonaro não entendeu isso. Na sua limitada visão de mundo militar, vítimas são parte do jogo, e o que interessa é o todo. Além disso, ele espera que todas as autoridades o obedeçam cegamente. A suposta carta branca aos seus ministros é só fachada. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, precisa defender as atitudes irresponsáveis de Bolsonaro – como as selfies com manifestantes em 15 de março ou a exigência de acabar com o isolamento social – mesmo sabendo que tudo isso está errado.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é outro que se meteu numa situação desconfortável. Em vez de reduzir o endividamento do Estado e diminuir a máquina estatal por meio de privatizações e da reforma administrativa, como ele queria, precisa agora fazer novas dívidas de centenas de milhões de reais e aumentar o papel do Estado na economia.

A reforma trabalhista iniciada no governo do presidente Michel Temer também terá que ser reavaliada em breve, ao que tudo indica. O Brasil tem mais de 40 milhões de pessoas na informalidade. São pessoas que estão desprotegidas diante de uma crise como a atual. Agora é necessário admitir que tudo isso foi irresponsável. Será que o neoliberal Guedes vai virar à força um social-democrata? Seria melhor para ele. Mas o provável é que ele se vá antes disso.

É impossível saber de quanto tempo o Brasil vai precisar para superar as consequências econômicas da crise do coronavírus. O dinheiro economizado com a reforma da Previdência logo vai ser gasto nos novos pacotes de ajuda. Com suas duras críticas ao lockdown, Bolsonaro já está tentando se vacinar contra a próxima crise econômica. Numa entrevista na televisão, ele já disse que os milhões de desempregados não serão culpa dele. Mas, se ele não é o responsável, o que está fazendo na cadeira de presidente?

O declínio da sua autoridade, nos últimos dias, é assustador. Aliados se afastam, e ele perde apoio também no Congresso. Bolsonaro corre o risco de não ser mais levado a sério. Ele conseguirá se recuperar dessa situação? Ou seus rivais moderados, como os governadores João Doria e Wilson Witzel, vão ficar com os eleitores da direita?

Até parece que o novo coronavírus escolheu a dedo uma vítima especial: Jair Messias Bolsonaro. Quem achava que isso não ia dar em mais do que uma “gripezinha” ainda vai se surpreender.

Thomas Milz saiu da casa de seus pais protestantes há quase 20 anos e se mudou para o país mais católico do mundo. Tem mestrado em Ciências Políticas e História da América Latina e, há 15 anos, trabalha como jornalista e fotógrafo para veículos como o Bayerischer Rundfunk, a agência de notícias KNA e o jornal Neue Zürcher Zeitung. É pai de uma menina nascida em 2012 em Salvador. Depois de uma década em São Paulo, mora no Rio de Janeiro há quatro anos.

error: