Tudo dos jornais desta quinta-feira (07)  | Claudio Tognolli

Chico Bruno

Manchete O Globo: Troca de e-mails mostra que Vale sabia de risco da barragem

Funcionários da Vale e de uma empresa responsável pela segurança da barragem em Brumadinho (MG) trocaram e-mails, dois dias antes do rompimento, sobre problemas nos medidores de água e pressão da estrutura. Em depoimento à Polícia Federal, o engenheiro Makoto Namba, da empresa alemã TÜV SÜD, que fez o laudo sobre a estabilidade da barragem, afirmou que, se tivesse filho trabalhando no local, mandaria que saísse imediatamente, ao saber das falhas relatadas nos e-mails, dos quais só tomou conhecimento após a tragédia, que já deixou ao menos 150 mortos. A Vale disse que entregou documentos e e-mails às autoridades e que não comentaria as investigações.

Primeira página O Globo

Servidor pode ter alíquota progressiva para a Previdência – Para enfrentar o rombo nos regimes próprios, reforma da Previdência em estudo no governo prevê que a alíquota da contribuição poderá variar de acordo com o salário, como no Imposto de Renda. Medida similar pode ser aplicada ao INSS. Também são avaliadas contribuições extraordinárias de servidores.

Lula é condenado pela segunda vez na Lava-Jato – Em sua segunda condenação na Lava-Jato, o ex-presidente Lula recebeu pena de 12 anos e 11 meses por lavagem de dinheiro e corrupção no caso do sítio de Atibaia. Se a segunda instância confirmar a sentença, Lula, que está preso em Curitiba e vai recorrer, verá ser dobrado o tempo para ter direito a regime semiaberto.

Moro endurece regras para soltar reincidentes – A pedido de governadores, o ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro, endureceu as regras para soltar presos reincidentes no pacote anticrime apresentado na segunda-feira. Além de negar liberdade provisória a suspeito de prática habitual de crime, o juiz deverá manter na cadeia quem porta arma de uso restrito.

Bloqueio em ponte isola a Venezuela – Oposição ao governo de Maduro denunciou que militares bloquearam ponte entre a Venezuela e a Colômbia, rota da ajuda humanitária enviada pelos EUA. Líderes do grupo rejeitaram diálogo com chavistas proposto por UE.

Manchete Estadão: Lula é condenado a 12 anos e 11 meses por sítio em Atibaia

O ex-presidente Lula, preso em Curitiba, foi condenado pela segunda vez na Lava Jato, agora a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro na ação que investigou a reforma do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). De acordo com a sentença, ele recebeu R$ 1 milhão em propina da OAS e da Odebrecht para custear obras no imóvel. O petista já havia sido condenado a 12 anos e 1 mês no caso do triplex do Guarujá e responde a uma terceira ação penal, acusado por corrupção e lavagem de dinheiro na compra de terreno para o Instituto Lula. Além do ex-presidente, outras dez pessoas foram condenadas no caso do sítio em Atibaia, entre elas, os empresários Léo Pinheiro e Emílio Odebrecht e o pecuarista José Carlos Bumlai. A defesa de Lula vê perseguição política e diz que vai recorrer da sentença. Os demais envolvidos negam culpa. Governistas comemoraram a decisão.

Primeira página Estadão

Guedes estuda novo modelo de contribuição para o INSS – A proposta de reforma da Previdência elaborada pela equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) permite a criação de um novo tipo de contribuição, por parte das empresas, para o INSS. A atual alíquota, de 20%, é considerada muito alta. A área econômica também planeja baixar de 8% para 7,5% o desconto do INSS nos salários dos trabalhadores de baixa renda. Para quem ganha mais, a alíquota subiria de 11% para até 14%.

Bolsonaro aceita 60 e 65 anos – Presidente, que defendia idade mínima de 57 (mulheres) e 62 anos (homens) na aposentadoria, já aceita 60 e 65, disse fonte. Paulo Guedes, porém, quer idade maior para mulheres.

Petrobrás avalia corte de publicidade e projeto cultural – A Petrobrás estuda romper contratos de publicidade e patrocínio firmados nos governos anteriores com grupos de comunicação, de teatro e de cinema e redirecionar a verba para as redes sociais e para artistas menos conhecidos. Em 2018, os gastos com publicidade foram de R$ 120 milhões e com patrocínio, de R$ 38 milhões. Em nota, a empresa confirma que está “revisando a política de patrocínios e o planejamento de publicidade”.

E-mails indicam que Vale sabia de problema – Obtidas pela PF, mensagens trocadas por funcionários da Vale e de empresas que atuavam no monitoramento da barragem de Brumadinho (MG) indicam que a mineradora sabia de problemas dois dias antes do rompimento.

Abin classificará dado ultrassecreto – A Agência Brasileira de Inteligência poderá decretar grau ultrassecreto em dados do governo. Essa classificação preserva o sigilo das informações por 25 anos.

E-mails indicam que Vale sabia de problema – Obtidas pela PF, mensagens trocadas por funcionários da Vale e de empresas que atuavam no monitoramento da barragem de Brumadinho (MG) indicam que a mineradora sabia de problemas dois dias antes do rompimento.

Manchete Folha: Lula é condenado a 12 anos por corrupção no caso de Atibaia

O ex-presidente Lula foi condenado a 12 anos e 11 meses de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP). A sentença foi dada pela juíza Gabriela Hardt, que substitui Sergio Moro na Justiça Federal no Paraná. Cabe recurso. As obras no sítio, que era frequentado pelo petista, foram pagas por Odebrecht — conforme revelou a Folha em janeiro de 2016— e OAS e pelo empresário José Carlos Bumlai com verba desviada de contratos da Petrobras, de acordo com a denúncia. Houve benfeitorias no sítio, diz a sentença, de ao menos R$ 1 milhão. Lula está preso em Curitiba desde abril de 2018 em razão da condenação em outra ação penal da Lava Jato, sobre o tríplex em Guarujá (SP). A pena é de 12 anos e 1 mês. A defesa do ex-presidente afirmou que a sentença de Hardt reforça “o uso perverso” de leis e procedimentos jurídicos para “perseguição política”. Para o advogado Cristiano Zanin Martins, a condenação viola as garantias fundamentais de Lula. O petista ainda é réu em ações penais em SP, no PR e no DF, com enfoque no Instituto Lula e na Operação Zelotes, entre outros.

Primeira página Folha

Governo vai propor uma super agência de transporte – Ministério de Infraestrutura enviará ao Congresso projeto de lei para criar a Agência Nacional dos Transportes, formada pela junção da ANTT, que regula os transportes terrestres, e da Antaq (portos). Na prática, mudança pode facilitar uma faxina no comando das duas agências, que têm diretores envolvidos em escândalos de corrupção.

Agência quer fim de barragens como a de Brumadinho – Para Eduardo Leão , diretor da Agência Nacional de Mineração, falta de recursos, lacunas na legislação e lobby das mineradoras são entraves à fiscalização. Ele promete, como resposta à tragédia em MG, acabar com barragens daquele tipo no Brasil.

Exonerado do Turismo, Álvaro Antônio toma posse na Câmara – Provisória, exoneração foi publicada no Diário Oficial em ato assinado por Sergio Moro. Aliados do governo comemoraram o desligamento, supondo que estivesse ligado ao uso de candidaturas laranjas nas eleições.

Sob influência da reforma da Previdência, Bolsa cai 3,74% – Depois de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter descartado tramitação mais rápida da reforma da Previdência na Casa, a Bolsa recuou 3,74% ontem. O dólar subiu 1,06% e fechou cotado a R$ 3,706.

Manchete Correio: GDF e Câmara negociam mudanças no passe livre 

Técnicos do Buriti analisam três possibilidades de limitar o benefício, como forma de diminuir o prejuízo no sistema de transporte público. O governo deve tomar uma decisão hoje e levar a proposta a debate, com participação de estudantes, na Câmara Legislativa. Uma das medidas em estudo é acabar com a gratuidade e, no lugar, instituir um abatimento social para alunos da rede pública e a cobrança de um terço do valor da passagem de bolsistas da rede particular. Com isso, o rombo no sistema seria reduzido em R$ 170 milhões por ano. As duas outras opções são: manter o passe livre apenas para a rede pública, o que representaria economia de R$ 113 milhões; ou a cobrança de um terço do valor do bilhete para todos os estudantes do DF, garantindo um corte de R$ 100 milhões por ano nas despesas.

Primeira página Correio

Ana Maria Campos – Governador veta projeto aprovado por distritais no fim do ano. O texto, segundo o Ministério Público, abria brechas para fraudes no sistema de bilhetagem.

Maduro barra ajuda para os venezuelanos – Militares bloqueiam ponte na fronteia com a Colômbia para impedir a entrada de comboio com remédio e comida. Chavista denuncia intervenção.

Resistência à prisão depois da 2ª instância – Apesar de ser quase uma regra no mundo, medida defendida por Moro ainda enfrenta oposição de parlamentares e até de alguns ministros do STF.

MP pede fim do tráfego na Barragem do Paranoá – Máquinas e homens do DER-DF fazem reparos na estrutura sobre o lago antes do início da proibição da passagem de caminhões, a partir de 1º de março. Mas o Ministério Público vê a medida como insuficiente para evitar riscos à represa e quer a suspensão total do trânsito. A construção de uma ponte é alternativa em estudo.

Lula é condenado pela 2ª vez na Lava-Jato – Preso em Curitiba, o ex-presidente cumpre pena de 12 anos e 1 mês de reclusão no caso do triplex. Agora, ele foi sentenciado a mais 12 anos e 11 meses na ação em que é acusado de receber propina de R$ 1 milhão, por meio de obras, no processo do sítio de Atibaia, em São Paulo.

Vale sabia de falha em sensor – A empresa foi alertada sobre defeito em equipamento que monitorava a barragem dois dias antes da tragédia. Engenheiro diz que se sentiu pressionado a garantir a segurança em Brumadinho. Equipes de resgate já encontraram 150 mortos.

Crime da 113 no STJ – Ministros da Corte analisam hoje recurso de Adriana Vilella que pode livrá-la do júri popular. Ela é acusada de triplo homicídio.

Manchete Valor: “Não há ativos inegociáveis na Petrobras”

Para a nova diretoria da Petrobras não há nada na estatal que não possa ser privatizado, com exceção dos ativos relacionados às suas principais atividades, que são prospectar e explorar petróleo. Na primeira entrevista desde que assumiu o comando da estatal, o economista Roberto Castello Branco deixou claro que o plano de desinvestimento, isto é, a saída da companhia de alguns negócios e a venda de subsidiárias serão ampliados.

Primeira página Valor

Ministra quer juro baixo para financiar safra – Diante da tendência de redução de subsídios ao crédito rural, o governo articula o embrião do Plano Safra 2019/20. A ideia é que o corte de subsídios a grandes produtores prevaleça, mas que sejam criadas novas linhas de crédito com taxas de juros livres, porém abaixo de 10% ao ano.

Reforma terá novo regime trabalhista – A proposta do governo para a reforma da Previdência incluirá, também, a criação de um novo regime trabalhista. Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, se aprovado o projeto de emenda constitucional, coexistirão no mercado de trabalho dois sistemas.

Vale soube de falha antes da tragédia – Uma troca de e-mails indica que a Vale foi informada por dados de sensores sobre problemas na barragem de Brumadinho antes da tragédia de 25 de janeiro.

Na ação do sítio, pena de Lula é de quase 13 anos – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado a 12 anos e 11 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no processo sobre o sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP).

Demais notícias 

A repercussão da condenação de Lula – Assim que foi divulgada a nova condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a 12 anos e 11 meses de prisão pelo caso do sítio de Atibaia (SP), políticos favoráveis e contrários ao petista começaram a comentar a decisão nas redes sociais. Ministro da secretaria-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, disse que Lula enganou a nação e utilizou a máquina pública para enriquecer. Já o ministro da Justiça, Sergio Moro, evitou comentários. Presidente do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) afirmou que a “perseguição” ao ex-presidente “não para”. O ex-senador Lindbergh Farias (PT-RJ) criticou a “justiça partidarizada” e afirmou que Lula “já estava condenado antecipadamente”. O ex-presidente nacional do PT, Rui Falcão, além de falar em perseguição, também reiterou a linha de defesa de Lula de que o sítio não pertence ao ex-presidente. “Continua a perseguição: substituta de Moro condena Lula de novo, por um sítio que não é dele: 12 anos e 11 meses!”, disse Falcão. Enquanto isso, adversários do PT comemoram a decisão, como os deputados ferais Kim Kataguiri (DEM-SP), que disse que Lula vai “passar aposentadoria na cadeira”, e Carla Zambelli (PSL-SP), que elogiou a juíza Gabriela Hardt, responsável pela condenação. (O Globo)

PT defende CPI das Milícias para tentar investigar Flávio – No dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado mais uma vez, deputados do PT defenderam em plenário uma “CPI da Milícias” com o objetivo declarado de investigar Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. A coleta de assinaturas está sendo realizada pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS). Presente no plenário enquanto petistas falavam sobre o tema, Eduardo Bolsonaro defendeu o irmão e defendeu a necessidade de investigar deputados estaduais do PSOL e do PT. Henrique Fontana (PT-RS) discursou defendendo a investigação e deixando claro que Flávio é o alvo do pedido. Presente em plenário, Eduardo Bolsonaro afirmou que seu irmão já deu “esclarecimentos” e disse que tem de ser citados para dar esclarecimentos os deputados estaduais Eliomar do PSOL e André Ceciliano (PT), presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), também citados em relatório do Coaf. (O Globo)

STF manda para primeira instância processos sobre Jucá e Padilha – Além do ex-presidente Michel Temer, outros políticos de destaque que ficaram sem mandato eletivo ou cargo no governo estão tendo seus processos enviados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para a primeira instância, depois de perderem o foro privilegiado. É o caso do ex-senador Romero Jucá (MDB-RR) e do ex-ministro Eliseu Padilha (MDB-RS), figuras importantes na gestão Temer. (O Globo)

Fim da parceria – Randolfe Rodrigues, cabo eleitoral de Davi Alcolumbre na eleição à presidência do Senado, avisou ao aliado que a parceria terminou junto com a derrota de Renan Calheiros. Ambos eleitos pelo Amapá, eles são amigos há cerca de 20 anos. O primeiro ajudou a escrever o discurso da vitória do conterrâneo. Randolfe, porém, fará oposição a Jair Bolsonaro, enquanto Davi chegou à cadeira mais importante do Congresso com as bênçãos de Onyx Lorenzoni, e dará andamento às pautas do governo. A Rede, liderada por Randolfe, decidiu abrir mão do lugar na Mesa Diretora que caberia ao partido, de acordo com a proporcionalidade. A legenda vai brigar, porém, para assumir o comando de pelo menos duas comissões. Política à parte, entretanto, a amizade continua. (Lauro Jardim/O Globo)

Hardt manda intimar Lula de nova condenação e dá prazo de 5 dias para recurso – A juíza federal Gabriela Hardt, da Operação Lava Jato, mandou intimar Luiz Inácio Lula da Silva sobre sua condenação a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro na ação penal que envolve o sítio Santa Bárbara, em Atibaia. O ex-presidente terá cinco dias para recorrer da sentença, assim que for comunicado. O petista foi sentenciado por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas referentes às reformas do imóvel, que está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar. Segundo a sentença, as obras foram custeadas pelas empreiteiras OAS, Odebrecht e Schahin. (Estadão)

Deputado é reconduzido ao Ministério do Turismo – Marcelo Álvaro Antônio voltou a ser ministro do Turismo, 24 horas depois de ter sido exonerado para assumir o cargo de deputado federal pelo PSL de Minas Gerais. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União na madrugada desta quinta-feira, 7, com data da véspera. O decreto é assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. Na madrugada anterior, a publicação da exoneração de Antônio – cujo nome de batismo é Marcelo Henrique Teixeira Dias – levantou a hipótese de que ele havia sido de fato demitido por Bolsonaro, já que enfrenta, desde o início da semana, acusações de ter montado um esquema de candidaturas laranja para desviar dinheiro do fundo partidário. (Estadão)

PSL e centrão boicotam líder do governo na Câmara – Na Câmara, caciques de partidos do centrão querem fazer do líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL-GO), a primeira vítima de sua insatisfação com a articulação política do Planalto. O movimento conta com o apoio de ala numerosa do PSL, sigla de Jair Bolsonaro, e até de integrantes da Casa Civil, que desconfiam da capacidade do nome escolhido pelo presidente. Há articulação para, com o início das sessões de votação na próxima semana, impor derrotas e expor o isolamento de Hugo na Casa. Integrantes de legendas como DEM e PRB estão na linha de frente da articulação contra Vitor Hugo, que não encontra defensores nem entre quadros do PSL. A ordem na sigla, inclusive, é ignorar pedidos do líder por assinaturas em projetos e requerimentos de CPIs. (Painel da Folha)

Profissional – A insatisfação com o novato Vitor Hugo na Câmara pode dar fôlego a uma surpresa no Senado. Na tentativa de reacomodar o MDB – isolando Renan Calheiros (AL) do resto da bancada –, o presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP) patrocina a indicação de Fernando Bezerra (MDB-PE) para líder do governo. Bezerra é visto como um nome habilidoso e experiente. A articulação para fazer dele líder do governo no Senado passa por, além de Alcolumbre, senadores do próprio MDB. Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) também foi sondado sobre o assunto. O martelo será batido pelo presidente, que está hospitalizado. (Painel da Folha)

Defesa de Lula vê violações e perseguição política – A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou, nesta quarta-feira (6), a sentença condenatória contra o petista no caso do sítio de Atibaia, e disse que ela reforça “o uso perverso das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política”. Para o advogado Cristiano Zanin Martins, a condenação reforça o quadro de “grosseiras violações às garantias fundamentais” do ex-presidente e foi construída com “fundamentação retórica”, com base no depoimento de delatores. O defensor destaca que Lula foi condenado pelo crime de corrupção sem que se tenha atribuído a ele um ato de ofício, enquanto ele exercia a Presidência da República (2003-2010), vinculado ao recebimento de vantagens indevidas. A juíza Gabriela Hardt, de fato, destaca que seu entendimento é diverso do da defesa, e que há uma discussão doutrinária, além de jurisprudência do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, que diz não ser necessária a identificação deste ato para a configuração do crime de corrupção. Para Zanin, porém, isso descaracteriza o crime. (Folha)

Greenfield acusa ex-presidentes de Previ, Funcef e Petros – Procuradores que integram a força-tarefa da operação Greenfield denunciaram à Justiça Federal em Brasília 34 pessoas por operações irregulares no FIP GEP (Fundo de Investimento em Participações Global Equity Properties), que teriam gerado prejuízos milionários ao fundo e a seus cotistas, entre 2009 e 2014, informa a peça de acusação tornada pública nesta quarta-feira (6). O grupo acusou de gestão temerária os ex-presidentes da Previ, Sergio Rosa e Ricardo Flores; da Funcef, Guilherme Lacerda e Carlos Alberto Caser; e da Petros, Wagner Oliveira. Previ (dos funcionários do Banco do Brasil), Petros e Funcef, são os três maiores fundos do país e têm 1,2 milhão de participantes, dependentes e assistidos. (Folha)

Flávio nas mãos da procuradoria do Rio – A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai devolver para a Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (PRE-RJ) o inquérito que investiga o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) por falsificação de documento público para fins eleitorais. A avaliação da PGR é a de que o caso não deveria subir para outra instância por conta do novo entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre o alcance do foro privilegiado, que só deve ser aplicado para crimes cometidos no exercício do mandato e em função do cargo. A investigação tem relação com as transações imobiliárias de Flávio Bolsonaro antes de ele assumir o cargo de senador. O caso tramitava desde março de 2018 na PRE-RJ e apurava possível crime eleitoral praticado por Flávio Bolsonaro ao declarar imóveis comprados por meio de “negociações relâmpago” ao TSE com valores supostamente abaixo do real. (Correio)

Senado elege integrantes da Mesa – Todos os cargos da Mesa Diretora foram escolhidos em uma sessão de uma hora e meia que, em sua tranquilidade e rapidez, em nada lembrou a maratona iniciada na tarde de sexta-feira e concluída sábado, no fim do dia, para a escolha do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) como presidente da Casa. De acordo com a chapa apresentada após consenso entre os líderes, a primeira Vice-Presidência é de Antonio Anastasia (PSDB-MG). A segunda, de Lasier Martins (Pode-RS), que assinou filiação no partido ontem de manhã, deixando o PSD. A primeira Secretaria tem Sérgio Petecão (PSD-AC). A segunda, Eduardo Gomes (MDB-TO). Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, ficará na terceira. O quarto secretário é Luiz Carlos Heinze (PP-RS). As quatro suplências da mesa são, nesta ordem, de Marcos do Val (PPS-ES); Weverton (PDT-MA); Jacques Wagner (PT-BA); e Leila Barros, a Leila do Vôlei (PSB-DF). Embora o cargo seja o menos significativo, o senador Jorge Kajuru (PRP-GO) lembrou que era ocupado dias atrás por Alcolumbre, que dessa posição articulou a eleição para presidente. “Leila pode ser a nova presidente do Senado”, comparou. (Correio)

PT reclama – O líder do PT, Humberto Costa (PE), criticou o fato de o partido ter ficado apenas com uma suplência na Mesa. “Sempre respeitamos a proporcionalidade das bancadas, pois é o que reflete a decisão dos eleitores. Por esse critério, teríamos a Quarta Secretaria”, comentou. O PSL, com quatro senadores, ficou com a Terceira Secretaria. O PP tem seis e ficou com a Quarta. Ainda segundo Costa, o tamanho da bancada deveria levar o PT a ficar com a Comissão de Relações Exteriores. Mas, segundo ele, o partido ficará com a de Direitos Humanos. (Correio)

Bolsonaro caminha e faz fisioterapia – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) mantém um quadro clínico estável. Sem dor ou febre, continua realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Em duas ocasiões, andou pelas dependências da unidade e se sentia disposto a caminhar por uma terceira vez, segundo informou, ontem, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. (Correio)

O grande ocaso de Lula – A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai jogar em duas velocidades para tentar conseguir o semiaberto ou a prisão domiciliar no Supremo Tribunal Federal (STF) no caso do tríplex, antes de a condenação no processo do sítio ser julgada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A ordem é acelerar no Superior Tribunal Justiça (STJ) e no STF, e apresentar todos os recursos possíveis para postergar a decisão do TRF-4 a respeito do sítio. O PT espera deixar o ex-presidente pelo menos um tempo em casa e, assim, tentar gravar cenas com Lula para futuro uso eleitoral. A avaliação é a de que Lula, embora duplamente condenado, ainda é o que o partido tem para se contrapor ao governo Bolsonaro a curto prazo. Para 2022, entretanto, a ordem é construir outras lideranças para disputar eleitoralmente com os atuais inquilinos do poder. Afinal, nas conversas mais reservadas, os petistas dizem ter plena consciência de que Lula está fora da disputa política. Porém, não deixou de ser o maior nome que a legenda tem hoje. (Brasília-DF/Correio)

A volta do discurso contra bancos – A ideia de um sistema de capitalização para a aposentadoria, defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, será confrontada com um discurso que pega inclusive parte da base do governo: o de que o ministro é um homem de mercado, que deseja tirar dinheiro dos bancos públicos, no caso as contribuições previdenciárias e o FGTS, e jogar nos bancos privados. Obviamente, não é isso, mas é o que a oposição tentará vender para segurar a proposta. (Brasília-DF/Correio)

Quem ri por último, ri melhor – Antes mesmo de anunciado o resultado da escolha do presidente do Senado, no último sábado, o ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (foto), comentou no grupo de WhatsApp dos deputados do partido: “Renan vai tirar o MDB da Presidência do Senado”. Renan passou o último ano falando mal de Marun aos quatro ventos, e muitos senadores concordaram com ele. Ontem, entretanto, depois da balbúrdia dos últimos dias, a avaliação do ex-ministro é praticamente um consenso na bancada do Senado. (Brasília-DF/Correio)

Novo regime trabalhista virá junto com reforma – A proposta do governo para a reforma da Previdência incluirá, também, um novo regime trabalhista. Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, se aprovado o projeto de emenda constitucional (PEC) da Previdência, coexistirão, no mercado de trabalho, os dois sistemas: o novo, desconstitucionalizado, desregulamentado e com maior oferta de empregos; e o atual, inspirado na “Carta del Lavoro” (de Benito Mussolini), com a Justiça do Trabalho, os sindicatos e poucos empregos. Os jovens terão a oportunidade de escolher. (Valor)

error:

Notice: Undefined index: prnt_scr_msg in /var/www/wp-content/plugins/wp-content-copy-protector/preventer-index.php on line 171