Tudo de todos os jornais de segunda-feira (22)  – Claudio Tognolli

Chico Bruno

O GLOBO – manchete e primeira página

Manchete: Arsenal de tiro esportivo já supera o da segurança privada

Os 255 mil praticantes de tiro esportivo, colecionadores e caçadores do país têm hoje em sua posse 350.683 armas, arsenal que inclui modelos de uso restrito e supera o das empresas de segurança privada (244 mil) e o das polícias de São Paulo (120 mil). Os dados do Exército foram obtidos pelo Instituto Sou da Paz, via Lei de Acesso à Informação. Desde 2014, houve alta de 54% na quantidade de armamentos nestas atividades, impulsionada pelo salto de 879% na concessão anual de registros, que chegou a 87.989 em 2018. O presidente Bolsonaro prometeu, na semana passada, “facilitar a vida” da categoria, conhecida pela sigla CAC.

Entre ‘cruz e espada’, governo tenta saída para caminhoneiros – Em entrevista ao GLOBO, o ministro da Secretaria de Governo, Santos Cruz, diz que o Planalto trabalha em soluções para os problemas dos caminhoneiros, que ameaçam greve, mas admite que “o governo fica entre a decisão política e o limite econômico, sempre entre a cruz e a espada”. Apesar de considerar o movimento legítimo, Santos Cruz cobra “responsabilidade” da categoria. Alvo de críticas da chamada ala ideológica da gestão Bolsonaro, o ministro adverte: “O fanatismo atrapalha”.

Carioca dorme no Galeão para evitar violência – Com medo de passar na Linha Vermelha durante a madrugada, passageiros do Galeão estão optando por se hospedar em hotéis do próprio aeroporto para esperar o dia clarear. Outros têm recorrido ao aluguel de carros blindados no trajeto pela via expressa.

Baía de Guanabara registra ‘caldeirão’ de bactérias – Estudo da UFRJ mostra que área da baía próxima ao Fundão tem concentração de bactérias até 400 vezes maior do que em mar aberto. Além do lançamento de esgoto, mudança climática acelera a multiplicação de micro-organismos.

Atentados matam 207 e ferem 450 no Sri Lanka – Ataques coordenados de homens-bomba contra três igrejas e quatro hotéis no Sri Lanka deixaram ao menos 207 mortos e 450 feridos na manhã e no início da tarde de ontem, quando a minoria cristã celebrava o Domingo de Páscoa. As autoridades culparam extremistas religiosos e anunciaram a prisão de 13 suspeitos. Nenhum grupo reivindicou a autoria.

Outras notícias

PSB retoma aposta em candidatura de Joaquim Barbosa – Apesar de ter se decepcionado com a desistência de Joaquim Barbosa em disputar a eleição do ano passado, o PSB voltou a investir na tentativa de construir uma candidatura presidencial do ex-presidente do Supremo TribunalFederal. Aavaliação é que o ex-ministro pode se tornar uma alternativa para eleitores de centro-esquerda decepcionados com o PT. No final do mês passado, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, almoçou com Barbosa em Brasília. Siqueira afirma que o objetivo foi convidar Barbosa para integrar o conselho de política internacional da legenda. — Ele aceitou participar. Nós vamos discutir os grandes temas da conjuntura mundial nesse conselho — disse o presidente do PSB. De acordo com Siqueira, a legenda quer Barbosa mais atuante na vida partidária. — É importante incluí-lo nas atividades do partido— afirmou Siqueira.

Aos poucos, porte de armas ganha espaço – A flexibilização do porte de armas é um dos temas mais polêmicos da agenda do Palácio do Planalto, alvo de críticas de especialistas e de resistência do próprio ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública. Ainda assim, na última quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou que, em breve, editará decreto para ampliar o número de pessoas habilitadas a transportar armamento com munição. E não pretende ficar restrito aos colecionadores e caçadores. O presidente informou que vai autorizar o porte de armas, 24 horas por dia, para militares com dez anos nas Forças Armadas, até mesmo aqueles que já foram para a reserva. — Vamos ter surpresa, já foi acertado com o Ministério da Defesa, nesse novo decreto, para os praças com estabilidade assegurada nas Forças Armadas. Se um praça, após dez anos, não puder portar uma arma, ele tem que sair das Forças Armadas—afirmou o presidente, em transmissão em uma rede social. Para além do decreto, o governo já sinalizou que apoiará projeto de lei que permita o porte de armas de forma mais ampla. A proposta ainda não tem formato, mas deve ser apresentada por aliados do governo, com o respaldo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos maiores entusiastas da causa no Congresso.

O país do desemprego e do subemprego – Esses indicadores econômicos recentes, que apontam para um baixo crescimento de novo este ano, são devastadores para o mercado de trabalho. O consultor Claudio Frischtak, da Inter B, lembra que o mercado sofre não apenas pelas novas demandas de conhecimento e habilidades, mas também pelo baixo crescimento .“Arriscamos um terceiro ano repetindo os dois anos anteriores. Aí não tem jeito: esses números não vão mudar de forma significativa, e o país continuará vivendo o drama do desemprego e do subemprego .” Pelas contas de Frischtak, 35,5 milhões estão na informalidade. Somando os 18 milhões de desocupados e desalentados (gente que desistiu de procurar emprego), temos quase metade da força de trabalho nacional sem trabalho ou na informalidade. Este é o problema. (Ancelmo Gois)

Dedo na tomada – Nos próximos dez dias haverá alterações importantes nas diretorias das subsidiárias da Eletrobras — e também na nave mãe. Todos os novos nomes, com base em critérios técnicos, foram aprovados previamente pelo comitê de elegibilidade da Eletrobras. (Ancelmo Gois)

Estado de S. Paulo – manchete e primeira página

Manchete: Só 3 de 15 setores da indústria dão sinais de recuperação

Apenas dois de 15 segmentos industriais avaliados – o farmacêutico e o de papel e celulose – usaram, no primeiro trimestre deste ano, a capacidade de produção de suas fábricas em níveis considerados elevados, isto é, acima da média histórica, enquanto a indústria do vestuário registrou ocupação em níveis normais. Os resultados estão em um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, a pedido do Estado, para saber quanto os fabricantes estão desperdiçando do seu capital gasto na compra de máquinas, equipamentos e até para erguer galpões industriais que estão subaproveitados. “Continuamos com muita ociosidade, o que retrata o ritmo lento da economia”, diz Aloísio Campelo, responsável pelo estudo. Para o vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, não há nenhum indicativo de que o mercado vá melhorar nos próximos seis meses.

Deputados de SP criam CPI para intervir em universidades – A CPI das Universidades Públicas será instaurada nesta semana na Alesp, para investigar o que parte dos deputados define como “aparelhamento da esquerda” na USP, Unesp e Unicamp. Entre outros pontos, eles querem discutir a forma como os reitores são escolhidos e o que chamam de “gastos excessivos” com repasses do Estado – 9,57% do ICMS, cerca de R$ 9 bilhões anuais.

‘Mutirão’ das universidades – Desde janeiro, o MEC enviou 120 processos de credenciamento de novas universidades para análise do Conselho Nacional de Educação, 70% mais do que em 2017 e 2018.

Ataques em igrejas e hotéis matam 207 no Sri Lanka – Pelo menos 207 pessoas morreram e 450 ficaram feridas ontem, em uma série de explosões em hotéis e igrejas onde fiéis celebravam o domingo de Páscoa no Sri Lanka. O governo decretou emergência, impôs toque de recolher e interrompeu o acesso às redes sociais. Treze suspeitos ligados aos atentados foram presos. Até a noite de ontem, nenhum grupo havia assumido a autoria.

Outras notícias

Imagens não revelam autor de fraude no Senado – Transcorridos dois meses e meio, o mistério sobre os 82 votos para a presidência do Senado ainda não está perto do fim. Em reunião na semana passada, o corregedor da Casa, Roberto Rocha (PSDB-MA), foi pressionado pelos colegas a apontar um responsável pelo voto a mais na urna, como forma de responder à opinião pública e evitar agravar o desgaste do Senado. Mas, pelas imagens analisadas até o momento, não é possível identificar com clareza o autor. “Se não tiver 100% de certeza, não vou apontar o dedo para ninguém”, afirma Rocha. Caso a apuração do episódio chegue a um nome, ele será levado ao Conselho de Ética. Se o autor da infração for um senador, o parlamentar está sujeito até à cassação. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediu ao corregedor para acelerar a apuração. Rocha reuniu a equipe da Polícia Legislativa para avaliar se ainda há linhas de investigação. (Coluna do Estadão)

Global – Especialistas do FBI e da Polícia Federal e dirigentes do Facebook, Google, Twitter e WhatsApp vão participar do seminário internacional “Fake News e Eleições”, que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai promover nos dias 16 e 17 de maio, em Brasília. O objetivo do evento é discutir propostas de combate à disseminação de notícias falsas, tendo em vista as eleições municipais do ano que vem. O conselho do TSE sobre o tema ainda não se reuniu depois do pleito do ano passado, que teve muitas polêmicas. (Coluna do Estadão)

Laços de família – Réu confesso, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, preso pela Lava Jato, vai ser avô pela segunda vez. O ex-deputado Marco Antônio Cabral espera a chegada de Catarina. No ano passado, Cabral pegou no colo seu primeiro neto, Marco Antônio, também filho do ex-parlamentar, após uma audiência na sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro. O ex-governador tem procurado colaborar com a Justiça. (Coluna do Estadão)

Novo quer cobrar mensalidade de estudantes – A CPI das Universidades Públicas, que deve ser instaurada na Assembleia Legislativa de São Paulo, trouxe de volta a ideia de se cobrar mensalidades em universidades públicas, que surgiu durante as eleições presidenciais, como forma de diminuir a participação do Estado no orçamento. Pesquisas internacionais, no entanto, mostram que grandes instituições de pesquisa não se sustentam apenas com pagamento de alunos. Daniel José, líder do Novo e vice-presidente da Comissão de Educação da Casa, defende a mudança. “O conceito de universidade pública gratuita e estatal deveria deixar de existir.” Segundo o reitor da USP, Vahan Agopyan, estudos já feitos na instituição mostram que o dinheiro vindo de eventuais mensalidades não chegariam a 8% do orçamento. “Uma universidade de pesquisa é cara.” No Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, as mensalidades cobrem só 10% do custo da instituição.

Bolsonaro encerra grupo de trabalho de ossadas de Perus – O Decreto 9.759 do presidente Jair Bolsonaro que acaba com conselhos e comissões encerrou o Grupo de Trabalho Perus, responsável pela identificação de corpos de desaparecidos políticos entre as 1.047 caixas com ossadas da vala comum do cemitério de Perus, na zona oeste de São Paulo. O grupo era vinculado à Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, e tinha a missão de concluir a identificação de vítimas da repressão política durante a ditadura militar, um trabalho iniciado em 2014 após determinação da Justiça Federal em ação civil pública. Questionado, o ministério não respondeu como pretende, e se pretende, continuar o trabalho de identificação das ossadas. A pasta respondeu apenas que “está avaliando, estudando e proporá algo dentro dos parâmetros do decreto”. Durante sua atuação parlamentar, Bolsonaro criticava as buscas pelos desaparecidos. Posou ao lado de cartaz sobre as buscas na região do Araguaia que dizia: “Quem procura osso é cachorro”.

Odebrecht tinha ‘bunker da propina’ – Uma sala comercial no terceiro andar de um prédio na Avenida Faria Lima, principal corredor financeiro de São Paulo, serviu como “bunker” para armazenar notas de dinheiro obtidas por doleiros com lojistas chineses da região da 25 de Março para a Odebrecht pagar propina e caixa 2 a políticos e agentes públicos na capital paulista. Planilha da transportadora de valores Transnacional, usada pela empreiteira no esquema, mostra que R$ 15,5 milhões foram coletados no endereço e levados até a sede da empresa, na Vila Jaguara, em 37 viagens feitas entre setembro de 2014 e maio de 2015. Nos dias seguintes às retiradas de dinheiro, os valores eram entregues por policiais militares à paisana aos intermediários dos políticos em residências, escritórios e quartos de hotéis. Neste domingo, 21, o Estado revelou que a mesma planilha indica que ao menos 187 entregas de dinheiro programadas pela Odebrecht foram efetivadas pela Transnacional.

Crítica a papa afeta grupo conservador na CNBB – Entre os dias 1.º e 10 de maio mais de 400 representantes da Igreja Católica, entre eles 304 bispos ativos, vão se reunir em Aparecida (SP) na 57ª Assembleia-Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para, entre outras tarefas, escolher os novos ocupantes dos cargos mais importantes da entidade: presidente e secretário-geral. Segundo analistas e religiosos que acompanham as movimentações do episcopado, os atritos de aliados do presidente Jair Bolsonaro com a CNBB e o papa Francisco tendem a enfraquecer os setores mais conservadores da Igreja que ganharam força antes da posse do novo governo. “Um dos maiores problemas hoje do governo em relação à Igreja é a oposição que aliados de Bolsonaro fazem ao papa”, disse o professor Francisco Borba, coordenador de projetos do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP. Desde o ano passado, Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump e aliado da família Bolsonaro, tem se aproximado dos maiores adversários de Francisco. O escritor Olavo de Carvalho, guru do presidente, é crítico contumaz do pontífice.

Confederação Israelita do Brasil decide processar Ciro Gomes – A Confederação Israelita do Brasil (Conib) vai processar o ex-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) por antissemitismo. Em entrevista ao site HuffPost Brasil publicada no sábado, 20, Ciro afirmou que “agora Bolsonaro diz aos grupos de interesse o que eles querem ouvir”. “Por exemplo, para os amigos dele aí, esses corruptos da comunidade judaica, que acham que, porque são da comunidade judaica, têm direito de ser corrupto. Corrupto, para mim, não interessa se é curdo ou cearense. Corrupto é corrupto, ladrão é ladrão”, disse o ex-ministro. “Mais uma vez, Ciro Gomes nos ataca de forma generalizada, agora chamando membros da comunidade de ‘corruptos’. Não vemos Ciro ligar outras minorias ou grupos à corrupção no Brasil”, disse a Conib em nota, pedindo retratação. Ciro não foi localizado.

‘O PSL vai ser o primeiro partido a ter compliance’ – O escritório responsável pela defesa do presidente Jair Bolsonaro, que recorre da condenação por ofensas à deputada Maria do Rosário (PT-RS), é chefiado, quem diria, por uma feminista. Aos 39 anos, a advogada Karina Kufa expõe suas credenciais não só com palavras, mas com ações concretas voltadas a uma inclusão mais efetiva de mulheres no masculino ambiente da política – como o projeto Eleitas, criado para dar assessoria técnica e jurídica a interessadas em se candidatar a cargos eletivos. “O PSL vai ser o primeiro partido a ter compliance. Tivemos reuniões com o vice-procurador eleitoral para assinar um termo de boas práticas partidárias. O PSL era um partido pequeno que não tinha dinheiro, mas agora começou a ter. Nós procuramos a PGE para nos orientarem a gastar bem o dinheiro. Dessas reuniões saíram algumas sugestões, como o compliance. É uma segurança para dirigentes, filiados e até para o presidente. O PSL veio com essa ideia do compliance. O Ministério Público teve total liberdade para propor sugestões para serem adotadas no estatuto. Qual partido se coloca à disposição do MP para dar pitaco interno? Isso tudo garante que vai ser um partido diferente”, diz Karina.

Folha de S.Paulo – manchete e primeira página 

Manchete: Doleiros foragidos engessam há 1 ano ação da Lava Jato

A Operação Lava Jato fez há quase um ano sua maior etapa em número de prisões pedidas, mas a ação está engessada porque a Justiça não consegue localizar um grupo de doleiros central para a investigação. Entre eles está Dario Messer, o “doleiro dos doleiros”, que também tem cidadania paraguaia e não foi localizado pela Operação Câmbio, Desligo, em maio de 2018. O objetivo dos investigadores era uma rede de movimentação ilegal de bilhões de reais centrada no Rio. Foram expedidos 49 mandados de prisão preventiva. A expectativa era desvendar frentes de lavagem de dinheiro fora do radar da força- tarefa da Lava Jato, em Curitiba. Mas o saldo em processos abertos é baixo, e houve decisões contrárias às investigações na Justiça. A falta de acesso aos doleiros, pelo menos cinco deles desaparecidos assim como Messer, é central para a falta de materialidade da ação. Quase todos os presos de um ano atrás estão atualmente fora da cadeia. Foram pelo menos dez solturas determinadas pelo Supremo Tribunal Federal e outras quatro pelo Superior Tribunal de Justiça. Dois suspeitos do caso morreram.

Caixa vai mudar avaliação de risco do Minha Casa – Com perdas de R$ 2,8 bilhões devido à inadimplência do Minha Casa Minha Vida, a Caixa irá mudar a avaliação de risco do programa. Segundo seu presidente, Pedro Guimarães, o morador precisa conseguir pagar contas de água e luz para ter crédito.

Série de explosões mata mais de 200 no Sri Lanka – Uma série de explosões em igrejas e em hotéis de luxo no Sri Lanka deixou mais de 200 mortos e pelos menos 450 feridos. Segundo autoridades do país, os ataques foram feitos de maneira coordenada por um mesmo grupo, mas não se sabia quem planejou as ações.

Comediante que vive presidente é eleito na Ucrânia – O comediante Volodimir Zelenski, que viveu na TV um desconhecido que se elege presidente da Ucrânia, repetirá o papel na vida real, dizem pesquisas de boca de urna. Ele derrotou o atual ocupante do cargo, Petro Porochenko, e planeja boa relação com Ocidente e Rússia.

Outras notícias

Bolsonaro cometeu infração em passeio de moto – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) teria cometido uma infração de trânsito em sua volta de moto por Guarujá, no litoral paulista, neste sábado (20), segundo especialistas consultados pela Folha. Em trechos de um vídeo distribuído a jornalistas, o presidente circula com o capacete levantado, que fica apoiado na sua testa. Segundo o advogado especialista em trânsito Maurício Januzzi, que já foi presidente da comissão de direito viário da OAB-SP, andar com o capacete levantado dessa forma é o mesmo que estar sem o equipamento de proteção. “É uma infração gravíssima. A penalidade é multa, 7 pontos na carteira, e a pessoa sofre um procedimento de suspensão da carteira de habilitação. Como mandatário da nação ele deu um péssimo exemplo de como conduzir motocicleta”, afirmou Januzzi. De acordo com ele, como há imagens, o presidente pode sofrer as punições.

Alvo de Receita e Supremo, ministro do TCU dá aulas a Bolsonaro, ministros e PF – Investigado sob suspeita de envolvimento na compra de decisões no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) e cobrado pela Receita Federal por impostos de suposta propina, o ministro Augusto Nardes (Tribunal de Contas da União) tem sido chamado pelo governo de Jair Bolsonaro para dar aulas sobre boas práticas de governança. Autor de um livro sobre o assunto, Nardes deu palestra para o próprio presidente e seus ministros em 14 de março, no Palácio do Planalto. Em 26 do mesmo mês, esteve em evento em Brasília com os superintendentes da Polícia Federal, um dos órgãos que o investigam. Ligado ao ex-ministro Eliseu Padilha, ele já dava aulas para autoridades no governo de Michel Temer. Nardes é alvo da Operação Zelotes por, supostamente, receber R$ 2,5 milhões em troca de recrutar um grupo de lobistas para comprar decisões do Carf favoráveis à RBS, conglomerado de comunicação que atua no Sul. Os julgamentos sob suspeita no conselho –espécie de tribunal que avalia recursos de contribuintes a autuações da Receita– anularam um débito que ultrapassa R$ 1 bilhão.

Vídeo com críticas a militares reacende tensão no Planalto – Com ataques a militares e à nova política, o vídeo postado e depois apagado do canal de Jair Bolsonaro no YouTube deve não só elevar a tensão entre membros das Forças e olavistas como também ampliar a pressão para limitar o acesso de Carlos, o 02, às redes do pai. O filme, que registra falas de Olavo de Carvalho, também pode inflamar a já insatisfeita bancada do PSL. Ele foi publicado na página de Bolsonaro sábado (20), divulgado por Carlos na manhã deste domingo (21) e deletado às 18h30. A peça foi postada por Carlos Bolsonaro às 10h40. Por volta das 23h, quando o filme havia virado notícia, o filho do presidente escreveu que iniciaria nova fase, “longe de todos que de perto nada fazem a não ser para si mesmos”. “Quem sou eu neste monte de gente estrelada?”, indagou. No filme, Olavo diz que a última contribuição das escolas militares foram as obras de Euclides da Cunha. “Desde então, foi só cabelo pintado e voz empostada”. Ele diz ainda que “os milicos” só fizeram “cagada” e entregaram “o país aos comunistas”. O escritor avalia que os que ascenderam com Bolsonaro “largaram o povão”. “Todos querem entrar na elite, não derrubar a elite. Tudo o que querem é ficar em Brasília, brilhar e embolsar o dinheiro do governo”. (Painel)

Melhor rever – Autor de requerimento que pede acesso aos estudos que sustentam a reforma da Previdência, o senador José Serra (PSDB-SP) diz que “decretar o sigilo só faz aumentar o empenho da mídia em obter as informações, valorizar os vazamentos e maximizar eventuais interpretações distorcidas”. “O melhor para o próprio governo seria abrir todos os cálculos e pareceres que embasaram sua proposta. Daria mais argumentos aos que defendem a reforma”, conclui. A revelação de que os dados estão sob sigilo foi feita pela Folha neste domingo (21). (Painel)

Governo quer criar órgão para vender ativos apreendidos de criminosos – A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, quer criar uma agência nacional de gestão e venda de ativos apreendidos de traficantes e outros criminosos. A ideia é formular um site de venda e otimizar os processos de alienação dos bens apreendidos judicialmente. A medida quer evitar a desvalorização do patrimônio. Há, atualmente, cerca de 80 mil bens apreendidos aguardando leilões públicos na Senad —20 mil serão leiloados neste semestre. A equipe do secretário Luiz Roberto Beggioria deve apresentar o modelo inicial nas próximas semanas ao ministro Sergio Moro. A expectativa é abrir o projeto para consulta pública a partir de maio. A pasta fez visitas e conversas institucionais para conhecer experiências de agências de gestão de ativos na França, Holanda, Itália e países latinos. Os valores arrecadados serão convertidos em investimentos públicos. (Mônica Bergamo)

Correio Braziliense – manchete e primeira página

Manchete: Temporal alaga, derruba árvores e atrasa voos no DF 

O alerta da Defesa Civil sobre o vendaval chegou a moradores por volta das 17h30. Tarde demais. A forte chuva, acompanhada de raios, trovões e rajadas de vento, surpreendeu Brasília pelo menos uma hora e meia antes. Derrubou árvores, alagou vias e estação do metrô, deixou tesourinhas submersas e danificou carros. Quadras inteiras ficaram sem energia elétrica. Na UnB, a água invadiu o subsolo do Instituto Central de Ciências, o Minhocão, e destruiu livros, móveis e equipamentos eletrônicos.

Atentados a igrejas e hotéis do Sri Lanka matam 207 – O banho de sangue no país asiático estarreceu o mundo. Em plena Páscoa, ataques a três igrejas e quatro hotéis deixaram pelo menos 207 mortos e 450 feridos. Entre eles, dezenas de estrangeiros. Oito suspeitos de participar do massacre foram presos.

Fundos de pensão inovam para atrair mais contribuintes – Entidades de previdência complementar se abrem a novas adesões e incentivam a criação de planos por associações de classe.

Brasília faz a festa! – O aniversário dos 59 anos da capital levou mais de 20 mil pessoas à Esplanada dos Ministérios. As comemorações começaram de manhã, com troca da Bandeira, Esquadrilha da Fumaça e bolo. À tarde e à noite, música. O ponto alto foi a estrela pop Anitta.

Entrevista com Anderson Costolli – O deputado federal do PSol, que ocupa a vaga de Jean Wyllys, diz que travará uma luta contra o conservadorismo. Ele falou sobre o racismo e anunciou um projeto de proteção da população LGBT.

Outras notícias

Passada a CCJ, falta a Comissão Especial – Após pressão dos partidos de centro, as mudanças no parecer da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara devem garantir a primeira vitória do governo no colegiado ainda nesta semana. A votação, marcada para as 14h de terça-feira, encerrará a primeira fase de tramitação da proposta da emenda à Constituição (PEC) 6/2019 no Congresso. A sessão da CCJ será marcada pela boa vontade de parlamentares governistas em aprovar a matéria, enquanto oposicionistas apresentarão o kit obstrução na tentativa de atrasar ainda mais a análise do texto. Os pontos que foram atualizados no relatório do delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) agradaram aos congressistas que negociavam com o governo pelo voto favorável à proposta.

Movimento mais fraco – A possibilidade de greve dos caminhoneiros está perdendo força. Lideranças entre os transportadores autônomos, entretanto, ainda se articulam para debelar qualquer chance de paralisação. Além da reunião prevista para esta semana com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, representantes da categoria buscam fechar um encontro com o senador Alvaro Dias (Podemos-PR). A categoria acredita que o parlamentar paranaense seja capaz de demover Walderlei Alves, conhecido como Dedéco, de continuar incentivando uma paralisação em 29 de abril. O caminhoneiro, candidato nas últimas eleições pelo Podemos, lidera transportadores no Paraná — onde reside — e nos demais estados da região Sul.

Conheça o suplente de Wyllys – Taurino com ascendente em libra e lua em aquário. Quem entende — e acredita em astrologia — pode traçar, em poucas palavras, um pouco da personalidade de David Miranda, deputado federal pelo PSol do Rio de Janeiro. Genioso, de personalidade forte, emotivo, ligado à família e preocupado com os direitos, civis e sociais, das minorias. Negro, favelado, gay, casado com um homem há 14 anos, pai de duas crianças, o parlamentar chegou à Câmara dos Deputados neste ano. A primeira aparição nacional foi em resposta a um tuíte do presidente Jair Bolsonaro, que escreveu “Grande dia”, sobre saída do deputado Jean Wyllys (PSol-RJ) do país. “Respeite o Jean, Jair, e segura sua empolgação. Sai um LGBT, mas entra outro, e que vem do Jacarezinho. Outro que, em dois anos, aprovou mais projetos que você em 28. Nos vemos em Brasília”. Suplente de Jean, David assumiu a cadeira quando o colega de partido deixou o Brasil, após ser ameaçado de morte. Desde 1º de fevereiro, ao pisar em Brasília, tem claro para si que terá de travar uma batalha árdua contra o que chama de conservadorismo de direita. Nesta semana, apresenta um projeto nos moldes da Maria da Penha voltado para a população LGBTI+.

Valor Econômico – manchete e primeira página

Manchete: Lobby de servidor se arma para desidratar a reforma

Entidades que representam a elite do funcionalismo, como auditores fiscais, policiais federais e funcionários do Banco Central (BC) e da Advocacia-Geral da União, preparam ofensiva contra a reforma da Previdência.

Bancos usam capital contra ‘maquininhas’ – O mercado de credenciamento de cartões de crédito entrou em nova fase de competição. Depois de perder mercado para startups que vêm estendendo e barateando o uso das “maquininhas”, os bancos estão respondendo com melhores condições para a antecipação de recebíveis gerados pelas transações.

Volta do terror abala Sri Lanka – As seis explosões que mataram 207 pessoas em três hotéis de luxo e três igrejas lotadas de pessoas que comemoravam a Páscoa, no domingo, abalaram a crescente sensação de otimismo e de que o país, com 22 milhões de habitantes, estava em ascensão.

Semana será decisiva para movimento de caminhoneiros – A semana será decisiva para solucionar o impasse que elevou o risco de uma greve nacional dos caminhoneiros, marcada para o dia 29.

Polo cearense produtor de calçados encolhe no Cariri – Maior produtor calçadista em volume de pares do país, o polo do Cariri, no sertão do Ceará, encolheu. A crise econômica provocou uma onda de fechamento de empresas e empregos na região, que nas últimas décadas se especializou nos “calçados injetados”.

Outras notícias

Elite do funcionalismo público articula lobby contra Previdência – Entidades que representam a elite do funcionalismo, como auditores fiscais, peritos e policiais federais e funcionários do Banco Central, da Controladoria-Geral da União e Advocacia-Geral da União preparam uma ofensiva contra a proposta de emenda constitucional (PEC) da reforma da Previdência. Já circulam minutas de pelo menos doze emendas à PEC, a serem encampadas por deputados identificados com estas corporações no momento em que o texto for à Comissão Especial, em maio. Um dos principais alvos dos sindicalistas é a progressividade da alíquota previdenciária, que atinge mais as faixas de renda mais altas. As minutas trazem ainda sugestões de mudanças em outros pontos da PEC, como o regime de capitalização e separação entre ações de Previdência e de assistência social. O Ministério da Economia estima que a mudança das alíquotas para o funcionalismo – de 11% para até 22% – gere economia de R$ 29,3 bilhões em 10 anos. A reforma no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) tem potencial, segundo a pasta, para economizar R$ 173,5 bilhões do total do R$ 1,072 trilhão esperado com a PEC.

Troca no Sebrae é primeiro passo para mudar Sistema S – O Ministério da Economia atuou para trocar o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) a fim de dar o primeiro passo para as mudanças planejadas para o Sistema S. Na pasta, a visão é que a medida vai fortalecer o alinhamento das entidades à agenda da equipe do ministro Paulo Guedes.

Deputado mais rico critica ‘confisco’ – Ele colhia algodão na infância, estudou em escolas públicas e só teve acesso ao primeiro livro aos 15 anos; tornou-se promotor de Justiça aos 22, e aos 25 anos, realizou seus maiores sonhos: comprou um Chevette branco e foi aprovado no concurso para juiz. Ele ainda se recuperava de uma tragédia: o pai, ex-prefeito de um pequeno município paulista, havia sido morto em um atentado a facadas. Anos depois, o professor e deputado federal Luiz Flávio Gomes (PSB-SP), fundador de uma rede credenciada de cursos jurídicos, tornou-se um milionário singular, com um patrimônio formado por cinco ternos e cinco mil livros. Aos 60 anos, Luiz Flávio é o coordenador do PSB na Comissão de Constituição e Justiça, onde levantou 15 pontos de inconstitucionalidade no texto da reforma da Previdência. Um deles é a alíquota de 22% sobre os salários de magistrados e procuradores, carreiras das quais fez parte no passado, e hoje despontam como algumas das corporações mais influentes contra a proposta em tramitação na Câmara. Ele enfatiza que a reforma da Previdência “é necessária”, assim como as reformas tributária, política e eleitoral. Mas chama de “crueldade” itens da proposta do ministro Paulo Guedes. “Ele pegou a base da pirâmide e foi duro com os médios, que ele chama de privilegiados, como os juízes e promotores. E a turma da cobertura? E os bilionários que devem ao INSS, até a embaixada americana deve milhões ao INSS”, argumenta.

Plenário do STF tende a derrotar Toffoli e Moraes – Se o inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar casos de ameaças e “fake news” contra integrantes da Corte chegar ao plenário – como têm defendido alguns ministros -, a tendência é que o colegiado determine seu arquivamento ou, pelo menos, entenda ser fundamental a participação do Ministério Público Federal na condução do processo. Aberto em 14 de março por iniciativa do presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli, a investigação é alvo de ao menos sete pedidos de anulação. O argumento central é o de que o inquérito é genérico e dá margem para decisões arbitrárias do ministro Alexandre de Moraes, relator designado por Toffoli. De acordo com interlocutores dos ministros, consultados pelo Valor, Toffoli e Moraes sairiam derrotados em plenário. Os ministros Edson Fachin, Celso de Mello, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Marco Aurélio Mello tenderiam a votar ou pelo arquivamento do inquérito, ou pela correção dos seus rumos. Apenas Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski devem apoiar Toffoli e Moraes.

error:
0