Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação | Claudio Tognolli

Deutsche Welle

Putin e Bolsonaro em Brasília, durante cúpula do Brics em 2019Putin e Bolsonaro em Brasília, durante cúpula do Brics em 2019

“O senhor pessoalmente enfrentou essa infecção [de covid-19] e passou por essa provação com muita coragem. Quero lhe desejar o melhor e, é claro, muita saúde. Sei que esse momento não deve ter sido fácil, mas o senhor enfrentou tudo como um homem de verdade e demonstrou possuir as melhores qualidades masculinas, como a coragem e a grande força de vontade (…). Isso faz do senhor um exemplo para todos nós, pois isso mostra como podemos ser corajosos no cumprimento dos nossos deveres profissionais, nossos deveres como chefes de Estado.”

Foi com essas palavras que o presidente russo, Vladimir Putin, se referiu ao presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, durante a cúpula do Brics – bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – no último dia 17. Bolsonaro compartilhou o vídeo com a fala de Putin em seu Twitter. Com a derrota de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas, o presidente russo pode se tornar seu novo “melhor amigo” no exterior.

“No que diz respeito à mentalidade de Bolsonaro, e do chanceler Ernesto Araújo e companhia, essa aproximação é perfeitamente possível. Porque Bolsonaro trocaria de guru, de bandeira de cruzada. Infelizmente, o Brasil está entregue a uma direção política que mais imagina do que realiza, mais imagina do que faz”, comenta Bruno Lima Rocha, doutor em Ciência Política e professor de Relações Internacionais e Comunicação Social na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Leonardo Trevisan, professor de Relações Internacionais de Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) em São Paulo, diz que a eleição de Joe Biden à presidência dos Estados Unidos reinicia o “jogo de xadrez” das hegemonias internacionais. Tanto Putin quanto Bolsonaro ainda não reconheceram a vitória do democrata no pleito presidencial americano.

“Todos os ‘jogadores’ terão que se adaptar a uma nova realidade, e temos dois sinais mais fortes nesse jogo. O primeiro diz respeito à posição da China, que não vê na figura de Biden um inimigo mortal – o que não significa que Biden facilitará para Pequim, tanto na guerra comercial quanto na guerra tecnológica. Mas o democrata vai, sim, dar um novo tom a essa relação”, afirma.

“Em seguida, há o fato de que esse quadro todo atinge diretamente as relações entre Rússia e China, pois Biden não confia em Putin e, de alguma forma, procurará manter alguma distância do presidente russo. É natural que, nesse novo jogo, Bolsonaro encontre guarida em quem não está apoiando Biden. O que explica esse novo ‘namoro’ entre Putin e Bolsonaro é que ambos têm, agora, um inimigo comum”, completa Trevisan.

Força no Brics

Historicamente, a Rússia não é um parceiro comercial forte do Brasil. No ramo do petróleo e derivados, os países são, na verdade, concorrentes. Ao mesmo tempo, Moscou é um agente importante no Brics, bloco no qual o Brasil tinha posição altiva até o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016. Uma aproximação entre Putin e Bolsonaro poderia ajudar o país a se reerguer no grupo.

“O Brasil poderia firmar convênios para reorganizar seu parque industrial farmacêutico, por exemplo. Poderia, ainda, com a tecnologia russa, ter uma Internet mais soberana ou se proteger das diretrizes da Lei de Segurança dos EUA. Se o Brasil tivesse uma política externa independente altiva e soberana, autônoma, toda relação com países que tem algo a oferecer e com os quais tenhamos algo a trocar seria bem-vinda”, comenta Bruno Lima Rocha.

O pesquisador diz que essa aproximação seria válida até mesmo em termos de soft power, que consiste na habilidade de um corpo político de influenciar, indiretamente, o comportamento ou interesses de outros Estados por meios culturais ou ideológicos. No caso do Brasil e da Rússia, isso seria possível com trocas de institutos e aproximação de laços de amizade.

“Acredito, porém, que nada disso vai se desenvolver com a chancelaria do Ernesto Araújo e no governo Bolsonaro”, pontua Rocha. Para ele, um relacionamento mais estreito do Brasil com a Rússia de Putin também ajudaria o Brasil a aliviar sua posição atual de extremo isolamento, fomentada, especialmente, pelo viés ideológico da gestão de Araújo no Itamaraty.

Possíveis perdas

Ao mesmo tempo, as perdas causadas por essa aproximação poderiam ser maiores do que os ganhos. A imagem que uma “amizade” entre Bolsonaro e Putin passaria ao cenário internacional seria de que o Brasil tem uma posição de aceite a visões autocráticas. Putin está há praticamente duas décadas no poder, e críticos apontam que a democracia na Rússia está, aos poucos, sendo corroída, com cerceamento à oposição e à imprensa.

“O Brasil reforçaria a imagem negativa que vem construindo ao redor do mundo. Perante o Ocidente, que ainda é o coração das relações internacionais, essa aproximação com Putin faz com que o país reafirme a sua condição, como já disse o ministro Ernesto Araújo, ‘estatutária’”, diz Vinícius Guilherme Rodrigues Vieira, doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Oxford e professor na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap).

“Continuaremos na mesma toada enquanto Bolsonaro estiver no poder. Não haverá uma inflexão, mesmo com a vitória de Biden. Dependendo de como caminhará essa relação, a própria China pode ficar mais cautelosa com o Brasil. Ao fazer pontes com a Rússia e Índia, o Brasil está cada vez mais querendo emparedar a China dentro dos Brics”, completa.

Paradoxo venezuelano

Vladimir Putin é um dos poucos líderes mundiais que apoia o governo de Nicolás Maduro na Venezuela. Nesse sentido, ter o mandatário russo como um novo “melhor amigo” na comunidade internacional poderia, de certa forma, enfraquecer um dos principais discursos do presidente Jair Bolsonaro em relação à política regional brasileira?

“Em termos analíticos, não. Houve um período em que o Brasil teve boas relações com a União Soviética, que tinha excelentes relações com Cuba. O Brasil, por outro lado, não tinha nenhuma relação com a ilha. É possível não haver uma triangulação na diplomacia latino-americana”, afirma Bruno Lima Rocha.

A exceção, diz o professor da Unisinos, aconteceria caso a Rússia colocasse algumas imposições, como solicitar que o Brasil não faça nenhuma adesão a uma eventual aventura intervencionista, bloqueio econômico ou militarista contra a Venezuela, por exemplo. Ao mesmo tempo, o pesquisador opina que a amizade entre Putin e Bolsonaro deve permanecer no campo do “culto à personalidade e idolatria” por parte do presidente brasileiro.

Lições do passado

A lealdade incondicional de Bolsonaro a Trump trouxe pouco ou nenhum benefício ao Brasil em termos de comércio e política externa. Nesse sentido, segundo especialistas, é preciso tomar cuidado para que o mesmo não se repita no caso de um relacionamento mais próximo entre o presidente brasileiro e Vladimir Putin. Enquanto Trump sobretaxou as exportações brasileiras de alumínio, o Brasil abriu o mercado de etanol para beneficiar os produtores americanos, sem nenhuma contrapartida, por exemplo.

“Se você consultar a Associação Brasileira dos Produtores de Aço, também será uma choradeira. Ainda, se olharmos para o arroz, não houve nenhuma moeda de troca. Em termos comerciais, o Brasil nada ganhou nos dois últimos anos quanto aos Estados Unidos. Nas questões diplomáticas, a famosa promessa da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] ficou na palavra. Os americanos não facilitaram em nada para o Brasil e, inclusive, beneficiaram sócios antigos, até mesmo a Argentina. As promessas do Trump em relação a Bolsonaro se revelaram vazias”, lembra Leonardo Trevisan, da ESPM.

error: