Resumo dos jornais e revistas de sábado, 05 de março de 2022

Resumo de sábado, 05 de março de 2022

Edição de Chico Bruno

Reportagem de capas de revistas

VEJA: Um novo arsenal

A vasta literatura que trata dos assuntos bélicos oferece uma definição para o cenário de horror, assombro e estupefação que tomou o planeta nos últimos dias. O que se desenrola no conflito entre Rússia e Ucrânia é o que os estrategistas chamam de guerra híbrida. Se, em uma semana, o conflito já infligiu mais de 2 mil mortes de civis e provocou um êxodo de 1 milhão de refugiados, a conflagração nos limites da Europa tem uma dimensão inédita em seu impacto em um mundo globalizado. “Muitas vezes são ações não letais como ataques cibernéticos ou mesmo organização de ofensivas de contrainformação em massa”, diz um dos principais teóricos sobre o assunto, o ex-­fuzileiro naval e especialista em estudos de guerra Frank Hoffman. Horas antes de Vladimir Putin anunciar o ataque, os sites dos ministérios das Relações Exteriores, da Defesa e do Interior da Ucrânia saíram do ar, dados dos servidores de instituições financeiras e empresas ucranianas foram apagados e a multinacional Symantec detectou que um novo tipo de invasor digital havia infestado milhares de computadores do país. A reação dos Estados Unidos, União Europeia, Reino Unido, Japão e Canadá à invasão também é parte de um novo modelo de embate internacional, com sanções econômicas de uma sofisticação e escala inéditas.

ISTOÉ: O novo herói mundial

A guerra da Ucrânia revelou um herói ao mundo. Enquanto os tanques russos avançavam, Volodymyr Zelensky virou foco dos holofotes como símbolo de resistência do povo ucraniano, ao aparecer em posts publicados por ele mesmo em redes sociais, como prova de que está nas ruas de Kiev e não fora do país ou escondido em algum bunker. Provocou emoção aberta, com choro de seu intérprete, durante o discurso de terça-feira, na sessão extraordinária do Parlamento Europeu, ao falar por vídeo sobre as estradas e cidades bloqueadas e os mísseis, bombas e tiros acertando civis, incluindo crianças. “A vida vencerá a morte e a luz vencerá as trevas”, disse. O presidente da Ucrânia foi ovacionado e contou para isso com sua habilidade de homem de mídia. Antes de assumir esse novo papel, foi apresentador de TV e aprendeu a dominar o público. Mesmo que haja rendição diante da superioridade bélica da Rússia, já é um vencedor, assim como seu país. O apoio foi demonstrado também por milhares de pessoas em manifestações gigantescas pelo fim da guerra nas principais cidades do planeta. Já diante de Vladimir Putin, a reação foi contrária: mesmo ganhando a guerra, ele será derrotado pela história.

CartaCapital: Tudo ou nada

No tabuleiro geopolítico, o jogo do poder transforma a invasão da Ucrânia em um capítulo da nova ordem mundial. E mais: Bolsonaro usa a caneta para aumentar suas chances nas urnas, mas a economia e o “voto duro” jogam por Lula.

Crusoé: O risco é real

Wladimir Putin ameaça usar armas atômicas para continuar a esmagar a Ucrânia e o mundo se vê diante do perigo de uma guerra nuclear.

Manchetes

Valor Econômico – Não circula

O ESTADO DE S.PAULO – Rússia radicaliza censura para impor sua versão sobre guerra

CORREIO BRAZILIENSE – Do massacre na Ucrânia à guerra que Putin já perdeu

O GLOBO – Rússia limita liberdade de informação e bloqueia redes

FOLHA DE S.PAULO – Após tombo, PIB sobe 4,6% em 2021

Destaques de primeiras páginas, fatos e bastidores mais importantes do dia

Censura russa – O Parlamento russo, controlado na prática por Vladimir Putin, aprovou ontem uma lei que criminaliza o noticiário sobre o conflito, prevendo até 15 anos de prisão para quem divulgar informações que o governo julgue como falsas sobre a invasão da Ucrânia. Torna-se crime, por exemplo, chamar a guerra de guerra. O ataque atinge também as redes sociais. O Kremlin decidiu bloquear o Facebook, acusado de restringir acesso à mídia russa em suas plataformas. A rede britânica BBC suspendeu operações no país. Sites, rádios, jornais e TVs estão fechando. A repressão ocorre enquanto a Rússia luta para conter o descontentamento da população e controlar a narrativa do conflito.

Levanta e sacode a poeira – Depois de amargar tombo histórico com a chegada da pandemia em 2020, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro teve alta de 4,6% em 2021, retomando o patamar pré-coronavírus, apontam dados divulgados nesta sexta-feira (4) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A reação, contudo, ainda é desigual: nem todos os componentes do indicador completaram essa recuperação. Pela ótica da oferta, nos quase dois anos de pandemia, destacaram-se os subsetores de serviços de informação e comunicação, quase 18% acima do quarto trimestre de 2019, antes da Covid-19, além da indústria de construção (8,4%) e os serviços de transportes (5,6%). No cômputo geral, o PIB ficou em nível 0,5% superior ao do final de 2019. À época, o indicador ainda tentava se desfazer das perdas geradas pela recessão de 2015 e 2016.

Marcas de luxo fecham lojas russas e encerram atividades no país – Hermès, Chanel e Cartier anunciaram ontem o fechamento de lojas e a suspensão de suas operações na Rússia. As três marcas são as primeiras do mundo da moda a restringir suas atividades no país. Apesar da pressão de clientes e fornecedores, Gucci e Louis Vuitton ainda não se pronunciaram. Os consumidores russos gastam US$ 9 bilhões por ano em produtos de luxo e respondem por cerca de 3% da receita total do setor.

Governo quer solução para recursos faltantes do Plano Safra na próxima semana – Além dos imbróglios mais recentes envolvendo as importações de fertilizantes e trigo – desdobramentos da guerra na Ucrânia –, o Ministério da Agricultura tem se debruçado em busca de uma solução para liberar recursos suspensos do Plano Safra. A Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) pediu a ampliação do orçamento e há ainda demandas para a agricultura familiar. “Estamos trabalhando nisso, estou com essa preocupação, mas acredito que essa semana vamos ter algumas decisões”, disse a ministra Tereza Cristina à Coluna do Estadão. A solução depende ainda da Economia e da Casa Civil, mas a ideia é ter uma medida provisória e um decreto ou uma portaria para a liberação dos recursos. Na questão dos fertilizantes, a ministra foi instigada a tratar sobre a venda da unidade de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobras, em Três Lagoas (MS), para um grupo russo, já aprovada pelo conselho. O assunto, no entanto, para Tereza Cristina, precisa ser tratado com a estatal. Tereza Cristina viajará para o Canadá para tratar da compra de fertilizantes. “Nós temos sim uma vulnerabilidade pela dependência externa desses produtos, mas a gente tem de ter muita calma nessa hora”, disse. Já em relação a seu futuro político, a ministra é categórica: “Saio ao Senado, meu projeto chama-se Mato Grosso do Sul”, responde ao ser questionada sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaro. Tereza anunciou nesta semana sua filiação ao Progressistas.

‘É preciso debater um projeto de país, não só de poder’ – A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) afirmou, em entrevista ao Estadão, que “as forças políticas do campo democrático” precisam “debater um projeto de país, não apenas de poder”. Segundo ela, a decisão do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) de participar da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é pessoal e não reflete um apoio da legenda ao PT. Marina também cobrou discussões programáticas e disse considerar fundamental que os pré-candidatos à Presidência digam com o que estão se comprometendo num futuro governo. Crítica do que chama de “polarização perversa” entre petistas e bolsonaristas, a ex-ministra comparou o orçamento secreto a um “mensalão institucionalizado”.

Justiça intima Telegram a explicar estratégia de combate à desinformação – A Justiça Federal em São Paulo decidiu intimar o Telegram a explicar sua política de combate à desinformação no Brasil depois que a plataforma ignorou questionamentos feitos pelo Ministério Público Federal. Desde dezembro do ano passado, o MPF tenta notificar o aplicativo em busca de informações. O órgão mobilizou, inclusive, o setor de cooperação internacional. Como não houve resposta, a plataforma foi acionada judicialmente. Os dados são cobrados em uma investigação sobre a conduta das principais plataformas de redes sociais e aplicativos de mensagens para conter o compartilhamento de conteúdos falsos e radicais. Só o Telegram não respondeu. A intimação autorizada pela Justiça pode ser usada como prova de que os responsáveis pelo aplicativo tomaram conhecimento do pedido, o que, na prática, significa que não poderão se eximir nas etapas seguintes do inquérito.

Bolsonaro faz de motociata palanque para Tarcísio e Salles – Pré-candidato à reeleição pelo PL, o presidente Jair Bolsonaro participou ontem de uma motociata em São José dos Campos (SP). O evento, oficialmente agendado para marcar o contrato de concessão das rodovias Dutra e Rio-Santos, se transformou num palanque eleitoral também para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, pré-candidato ao governo paulista, e para o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que vai se lançar a deputado federal pelo Estado. Tarcísio, que acaba de migrar seu domicílio eleitoral de Brasília justamente para São José dos Campos, chegou ao local na garupa de uma moto conduzida por Bolsonaro, cercado por apoiadores. E fez um aceno aos motociclistas dizendo que eles serão isentos de pedágio nas rodovias da nova concessão. Durante seu discurso, destacou obras da pasta que comanda, como rodovias e ferrovias. “A gente tem se acostumado no governo Bolsonaro a grandes entregas”, disse. Bolsonaro elogiou o trabalho de Tarcísio. “Um homem mais do que competente, um homem que tem compromisso com o bem-estar de vocês”, afirmou. O presidente ainda fez afagos a Salles, que teve uma gestão criticada por especialistas quando era titular da Esplanada, e citou, sem se estender, que o Brasil terá um “ano difícil pela frente”. Seguindo o ex-chefe, Salles se filiou ao PL para a corrida eleitoral.

Cidades do Vale do Paraíba critica Tarcísio – Em ofício endereçado ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a entidade que representa 39 municípios do Vale do Paraíba e Litoral Norte de São Paulo faz queixas sobre a nova concessão da rodovia Dutra. O ofício é assinado pelo presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, Alexandre de Siqueira Braga, também prefeito de São José do Barreiro, um dos 39 municípios que compõem a instância. Também subscreve o documento o presidente da Associação Paulista de Municípios e prefeito de Campos Jordão, Fred Guidoni. As críticas se concentram na previsão de que no novo contrato o trecho fluminense da rodovia, que liga São Paulo ao Rio, tenha mais obras e descontos maiores nos pedágios. “Enquanto os tributos cobrados nas praças de Arujá e de Guararema receberão redução de 3% e em Pindamonhangaba, de 8,4%, na carioca Itatiaia o pedágio vai ficar 21% mais barato”, diz a carta. Já em Jacareí, diz o documento, não há previsão de desconto no pedágio, enquanto em Viúva da Garça, no Rio, o preço ficará 9% menor. O documento ainda aponta que em outra rodovia importante para a região, a Rio-Santos, há previsão de obras de duplicação no trecho fluminense, o que não ocorre no paulista.

Explosão mata dois durante visita de Moro a cooperativa – Uma explosão na ala fabril da Cooperativa Agroindustrial de Maringá (Cocamar), durante visita do pré-candidato do Podemos à Presidência, Sérgio Moro, a um outro setor da empresa, matou dois trabalhadores na manhã de ontem, em Maringá, no Paraná. O Corpo de Bombeiros local não viu relação da detonação com a presença do ex-juiz no local. No momento do incidente, Moro discursava na área administrativa, longe da Estação de Tratamento de Efluentes, onde ocorreu a explosão. “Com base na análise do cenário e nas informações de testemunhas, as duas vítimas trabalhavam na montagem de uma estrutura na planta industrial da cooperativa e acabaram utilizando solda em um tanque de efluentes de biodiesel, o que gerava uma atmosfera explosiva”, afirmou o Corpo de Bombeiros em nota.

Moro cita áudio e rompe com deputado – O pré-candidato à Presidência do Podemos, Sérgio Moro, reagiu ontem a declarações atribuídas ao deputado estadual e pré-candidato ao governo de São Paulo pelo seu partido, Arthur do Val. O integrante do MBL teria dito, em áudios encaminhados a um grupo do WhatsApp, que as mulheres ucranianas “são fáceis porque são pobres”. “Jamais dividirei meu palanque e apoiarei pessoas quem têm esse tipo de opinião e comportamento. Espero que meu partido se manifeste brevemente diante da gravidade que a situação exige”, afirmou Moro, em nota. “O tratamento dispensado às mulheres ucranianas e às policiais do país é inaceitável.” Ainda segundo o ex-juiz, as declarações atribuídas ao deputado conhecido como Mamãe Falei “podem inclusive ser configuradas como crime”. Em um dos áudios, do Val supostamente comenta sobre os policiais da alfândega. “Eu passei agora, são quatro barreiras alfandegárias. Mano, eu juro para vocês, eu contei: foram 12 policiais deusas. Mas deusa assim que você casa e você faz tudo o que ela quiser.”

Acusado de ataque ao Porta dos Fundos é extraditado – O economista Eduardo Fauzi, acusado de atacar com coquetéis molotov a sede da produtora do Porta dos Fundos, no Rio, foi extraditado da Rússia. Ele chegou ao Brasil anteontem e está detido no presídio José Frederico Marques, em Benfica. A extradição estava autorizada desde janeiro. Fauzi deixou o Brasil em 29 de dezembro de 2019, cinco dias após o atentado, realizado na véspera do Natal, e um dia antes de a Justiça decretar sua prisão. Na época, o Porta era alvo de críticas em razão de um programa humorístico que mostrava um Cristo gay. A defesa de Fauzi pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que ele seja colocado em liberdade. “O próximo passo é que ele responda pelo que cometeu e se cometeu”, disseram os advogados Diego Moretti e Bruno Ribeiro.

Flávio leva 8 meses para oficializar venda – O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) demorou mais de oito meses para oficializar a venda do apartamento no Rio de Janeiro cujo dinheiro foi usado, segundo ele, para a compra de uma mansão em Brasília. A escritura de venda do imóvel na orla da Barra da Tijuca (zona oeste) foi assinada entre o filho do presidente Jair Bolsonaro e a empresa TWMV Empreendimentos e Participações, do empresário Gervásio Meneses de Oliveira), em outubro do ano passado. O documento indica que o apartamento foi vendido por R$ 2,6 milhões e o pagamento, segundo as duas partes, foi feito por meio de oito transferências entre 19 de novembro de 2020 e 9 de fevereiro de 2021. De acordo com o senador, até o dia 7 de outubro do ano passado a transação estava coberta por um contrato de gaveta assinado pelas duas partes. Não há ilegalidade na medida, embora negociações do tipo tenham maior insegurança jurídica. A escritura, porém, não faz referência a esse documento, como costuma acontecer. À época da divulgação das transações, em março, o senador disse que a escritura de venda do apartamento seria feita em breve. “Daqui a pouco vai ter uma escritura pública também. Está na fase de elaboração das certidões para que possam instruir essa escritura pública”, disse ele, em vídeo divulgado em suas redes sociais. Em nota, Flávio afirmou que o registro da transação “foi normal, regular e cumpriu todos os requisitos legais”.

PT gasta R$ 6 milhões para defender Lula e outros alvos da Lava Jato – O PT tem feito pagamentos milionários a escritórios de advocacia que atuam na defesa de seus filiados na Operação Lava Jato. As despesas somaram ao menos R$ 6 milhões ao longo de cinco anos —em valores nominais, sem correção pela inflação, já que os desembolsos não são de períodos fixos, mas variados. Elas incluem gastos com defensores do ex-presidente Lula e de três ex-tesoureiros que foram condenados em processos da operação. No caso de um dos escritórios, que recebeu R$ 911 mil entre 2017 e 2018, consta na Justiça Eleitoral que a fonte dos recursos é o fundo partidário, financiado com dinheiro público e destinado à manutenção dos partidos. A direção petista foi advertida pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 2021 por gastos desse teor e teve contas do ano de 2015 desaprovadas. Mas recorre da decisão junto ao Supremo Tribunal Federal.

Pazuello liberado para se candidatar – Ex-ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello foi transferido para a reserva remunerada do Exército. O pedido, que havia sido feito por ele ao presidente Jair Bolsonaro (PL) em 21 de fevereiro, foi atendido ontem. A publicação no Diário Oficial da União (DOU) é assinada pelo chefe do Executivo e pelo ministro da Defesa, Braga Netto. Segundo o documento, a transferência vale a partir de 28 de fevereiro. A antecipação da aposentadoria do general, que só ocorreria em 31 de março, tem fins eleitorais. Isso porque, agora, Pazuello pode se filiar a partidos políticos, o que é proibido para militares da ativa, e se candidatar às eleições de outubro. Ele pretende disputar uma vaga para deputado pelo Rio de Janeiro e pode se filiar ao PL, mesmo partido que abriga Bolsonaro.

Lula isenta o PT e critica Temer e Bolsonaro – O ex-presidente Lula (PT) criticou os governos de Michel Temer (MDB) e de Jair Bolsonaro (PL) pelo fechamento de fábricas de fertilizantes no país. O petista se manifestou em uma rede social, em resposta à publicação de uma notícia na qual a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmava que “o Brasil errou” ao fechar fábricas de fertilizantes da Petrobras. Para Lula, “foram os governos de Temer e Bolsonaro que erraram, não o Brasil, fechando fábricas de fertilizantes na Bahia, em Sergipe e no Paraná”. Atualmente, há unidades em funcionamento em Sergipe e na Bahia. A fala de Lula ocorre em um momento de incerteza quando à oferta de fertilizantes para a agricultura Brasileira. Cerca de 25% do produto utilizado no país é importado da Rússia e de Belarus. Com a guerra na Ucrânia, não há como transportar os fertilizantes, o que pode prejudicar a safra brasileira no médio e longo prazos.A produção de fertilizantes pela Petrobras foi paralisada após a crise de 2014, quando a estatal decidiu fechar suas fábricas ativas e tentar vendê-las. De acordo com Lula, Temer e Bolsonaro “também abandonaram a construção de novas fábricas de fertilizantes em Minas e no Mato Grosso do Sul.

Enquanto Bolsonaro evita uma “aventura”, Putin impõe o horror – Fortemente pressionado para ter postura mais enérgica em relação ao invasor Vladimir Putin, o presidente Jair Bolsonaro, mais uma vez, externou seu ponto de vista sobre o conflito no Leste Europeu. “O Brasil não mergulhará em uma aventura”, disse o chefe de Estado brasileiro, deixando claro que não pretende aderir à corrente das maiores democracias contra o ato agressor do Kremlin. Para horror do mundo civilizado, o líder russo amplia a sequência de ataques militares e atos autoritários. Após deixar o planeta em calafrios com o incêndio na maior usina nuclear da Europa, o autocrata intensifica a prisão de opositores, persegue a imprensa, bloqueia o acesso às redes sociais. Revela, em suma, a face de um ditador. Não há como manter “neutralidade” ou “equilíbrio”, seja qual for o vocábulo, ante tal desprezo por marcos civilizatórios. Em São Paulo, ainda, Bolsonaro mencionou que “temos um problema a 10 mil km daqui. E a nossa responsabilidade, em primeiro lugar, é com o bem-estar do nosso povo”. O presidente se esqueceu de que a pandemia de covid-19 explodiu a uma distância ainda maior, e o Brasil passou por uma tragédia sanitária jamais vista. É precisamente para zelar pelo bem-estar dos brasileiros que o líder brasileiro precisaria se juntar aos esforços do mundo – muito acima das declarações dos profissionais do Itamaraty – para interromper o conflito que assume proporções perigosamente imprevisíveis.

TRF-2 revoga segunda das cinco prisões preventivas de Sérgio Cabral – O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) determinou, nesta sexta-feira, a substituição de mais uma das prisões preventivas do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral para prisão domiciliar. A decisão vale para o processo aberto na Operação Calicute, um dos desdobramentos da Lava-Jato no Rio. Cabral, no entanto, tem ainda outras três decisões de prisões em preventivas em vigor e continuará preso. Das três prisões preventivas, duas foram determinadas pelo Tribunal de Justiça do Rio e um pela 13ª Vara Federal de Curitiba. O ex-governador está preso desde 2016. Cabral segue encarcerado no Batalhão Especial Prisional (BEP) da Polícia Militar do Rio, em Niterói, local para onde foi transferido em setembro de 2021. Antes, o ex-governador estava preso no presídio de Bangu 8, no Complexo de Gericinó. Esta foi a segunda decisão favorável obtida pela defesa de Cabral para substituição de prisão preventiva por outras medidas cautelares. A primeira vitória ocorreu em dezembro do ano passado, no âmbito da Operação Eficiência. Na decisão desta sexta-feira, o voto divergente da desembargadora Simone Schreiber foi o responsável pela vitória de Cabral. A magistrada entendeu que o risco à ordem pública de Cabral foi reduzido e pode ser controlado por prisão domiciliar.

Moraes manda Planalto informar motivos e custos de viagem – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que o Palácio do Planalto forneça detalhes sobre a viagem à Rússia do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, acompanhando a comitiva presidencial, no mês passado. Para Moraes, a viagem pode ter relação com a investigação sobre milícias digitais bolsonaristas, que tramita no STF. Carlos Bolsonaro é citado como um dos integrantes do chamado gabinete do ódio, grupo responsável por ataques às autoridades e às instituições democráticas nas redes sociais. “Determino (que) seja oficiado à Presidência da República para que, no prazo de cinco dias, informe as condições oficiais de participação de Carlos Bolsonaro, vereador pelo município do Rio de Janeiro, na comitiva presidencial que realizou a referida viagem internacional, inclusas as informações sobre os gastos realizados e eventuais diárias pagas, bem como a agenda realizada”, escreveu na decisão. O ministro também determinou que a Câmara de Vereadores do Rio informe se Carlos solicitou licença de seu mandato para realizar a viagem. A apuração sobre a participação de Carlos Bolsonaro na viagem foi solicitada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que apontou as suspeitas do envolvimento do governo russo em ataques às eleições de outros países. A Procuradoria-Geral da República (PGR) havia apontado que não existia relação da viagem de Carlos Bolsonaro com o objeto do inquérito das milícias digitais e solicitou a Moraes que retirasse o caso do escopo da investigação, mas o ministro negou o pedido.

error: