Resumo dos jornais de segunda-feira (20/09/2021) | Claudio Tognolli

Resumo de segunda-feira (20/09/2021)

Edição: Chico Bruno

Manchetes

Valor Econômico – Votação do edital de 5G deve ocorrer esta semana

Autor do pedido de vista que adiou a análise do edital do leilão de licenças da quinta geração de telefonia móvel (5G) na sessão realizada pelo comando da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no dia 13, o conselheiro Moisés Moreira revelou ao Valor que pretende pautar o julgamento da versão final do edital para a próxima sexta-feira, dia 24. Ele pedirá a Leonardo Euler de Morais, presidente da Anatel, que seja marcada uma nova reunião em caráter extraordinário. Entre terça e quarta-feira, o voto-vista já deverá ser distribuído à diretoria. Com isso, fica mantida a expectativa do governo de realizar o certame ainda neste ano. Para o ministro das Comunicações, Fábio Faria, a notícia “fecha com chave de ouro” e dará mais segurança jurídica ao processo. O edital voltará a ser pautado após a publicação de dois decretos presidenciais na sexta-feira – uma resposta aos questionamentos de Moreira, para quem o governo precisava detalhar as definições relacionadas a contrapartidas de investimentos, em atendimento a recomendações do Tribunal de Contas da União (TCU). “As decisões contidas no decreto não podiam ser tomadas pela Anatel. Mas, com a publicação delas no Diário Oficial, o governo me atendeu satisfatoriamente e acho que agora já podemos votar o edital”, afirmou Moreira.

O GLOBO – Governo acelera concessão de Santos Dumont e Congonhas

O governo decidiu acelerar o processo de concessão dos aeroportos Santos Dumont (RJ) e Congonhas (SP), os mais movimentados e rentáveis do país, à iniciativa privada. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) pretende colocar o edital em consulta pública amanhã e reduzir de 100 para 70 dias o tempo habitual entre publicação e leilão, que o governo deseja manter até abril de 2022. Mas os consultores acreditam que, com um ambiente político e econômico difícil, será mais difícil atrair investidores.

CORREIO BRAZILIENSE – Setor prevê alta de 65% na venda de imóveis no DF

Mudanças de hábitos na pandemia, como a procura por imóveis maiores e mais confortáveis, estão entre as razões que mantêm o mercado imobiliário otimista no Distrito Federal. E, mesmo em meio ao agravamento da crise no país, as expectativas são de que o cenário local se manterá positivo pelo menos até o fim do ano, diz o presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF), Eduardo Aroeira Almeida. “Aproximadamente 95% dos nossos associados acreditam que o mercado irá se manter como está ou melhorar nos próximos meses. Apenas 5% acreditam em uma piora no setor”, afirma.

FOLHA DE S. PAULO – Alckmin e Haddad lideram disputa pelo Governo de SP

O ex-governador Geraldo Alckmin, que está com a sua saída anunciada do PSDB, encabeça a corrida eleitoral para o Governo de São Paulo em 2022, com 26% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha. O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) aparece em segundo, com 17%. O ex-governador Márcio França (PSB) obteve 15% no levantamento e Guilherme Boulos (PSOL), 11%. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Em um segundo cenário pesquisado pelo Datafolha, sem Geraldo Alckmin, Haddad fica em primeiro lugar (23%), seguido de França (19%) e Boulos (13%). O atual vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), apoiado por João Doria, fica em quinto lugar com 5%. A pesquisa foi feita com maiores de 16 anos, entre 13 e 15 de setembro.

O ESTADO DE S. PAULO – Orçamento secreto banca obra que favorece ministro

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, direcionou R$ 1,4 milhão do orçamento secreto para a obra de um mirante turístico vizinho a um terreno onde construirá um condomínio privado em Monte das Gameleiras, no Rio Grande do Norte. A atração fica a cerca de 300 metros da propriedade do ministro, informam Felipe Frazão e Breno Pires. O investimento, bancado com verbas do Ministério do Turismo, tende a valorizar o novo negócio particular de Marinho, um condomínio de 100 casas numa área de seis hectares em sociedade com Francisco Soares de Lima Júnior, seu assessor no ministério. O empreendimento foi batizado de Condomínio Clube do Vinho. Em audiência na Comissão de Trabalho, Administração e Serviços Públicos da Câmara em 8 de junho, Marinho negou a autoria dos pedidos. O Estadão, entretanto, obteve por meio da Lei de Acesso à Informação duas planilhas do Ministério do Turismo que o confirmam como “autor” e “agente político” da indicação dos recursos.

Notícia do dia

Bolsonaro envia projeto similar a MP rejeitada por Pacheco – Após sofrer derrota e não conseguir manter a validade de uma MP (medida provisória) que limitava a remoção de conteúdos em redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro decidiu enviar ao Congresso proposta que segue a mesma linha. Agora, no entanto, o texto foi apresentado em formato de projeto de lei, que não tem efeito imediato e só passa a valer se for aprovado pelos deputados e senadores. A MP havia sido rejeitada e devolvida ao governo pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e suspensa por decisão liminar do STF (Supremo Tribunal Federal). O anúncio da nova tentativa foi feito pela secretaria de Comunicação Social da Presidência da República neste domingo (19).

As notícias de primeira página e os destaques do editor

Empresa foi aberta após posse – Rogério Marinho abriu numa casa em Natal a empresa responsável pelo empreendimento em Monte das Gameleiras, em junho de 2020, quatro meses depois de assumir o Ministério do Desenvolvimento Regional. Quatro meses após assumir o Ministério do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho abriu, em junho de 2020, a empresa Gameleira Vida Empreendimentos Imobiliários SPE, com sede numa casa no bairro Lagoa Nova, em Natal. Dos R$ 300 mil de capital social, 94% são dele, que registrou como sócios minoritários a irmã Valéria Marinho e o assessor Francisco Soares de Lima Júnior, que ele nomeara em abril para trabalhar no ministério. É essa firma de Marinho que detém o empreendimento em Monte das Gameleiras, cidade que será beneficiada com a construção de um mirante financiado com verba do orçamento secreto a pedido do ministro. O sócio e assessor de Marinho é, ao mesmo tempo, diretor do Departamento de Desenvolvimento Regional e Urbano e conselheiro da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Ele recebe um total de R$ 17,2 mil mensais do governo federal, sendo R$ 13,6 mil pela função comissionada e outros R$ 3,5 mil em jetons. Francisco Soares é um nome pouco conhecido em Brasília, mas de longa carreira nos bastidores da política no Rio Grande do Norte. Ele trabalhou em uma série de cargos comissionados no Estado e em prefeituras.

Relação entre Pacheco e Bolsonaro azeda sob o signo da desconfiança – Alçado ao posto de presidente do Senado com a ajuda de Jair Bolsonaro, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) passou a ser visto com desconfiança no governo, que já avalia seu comportamento como perigoso para o avanço da agenda do Planalto na Casa. A aliados, o presidente demonstra inquietação por acreditar que o senador atua com a intenção de se posicionar como terceira via contra Bolsonaro e Lula em 2022. Para Bolsonaro, o interesse na cadeira presidencial faz com que Pacheco não priorize pautas do governo e ignore demandas de ministros. As reclamações à postura do senador se estendem aos ministros Fábio Faria (Comunicações) e Paulo Guedes (Economia), que já relataram dificuldade em dialogar com Pacheco. Assim como Bolsonaro, Guedes tem o hábito de enviar torpedos do celular para ministros, senadores e deputados para discutir temas econômicos. Segundo interlocutores, ao contrário do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que liga quando recebe um torpedo, Pacheco dificulta o diálogo.

CPI deve convocar Queiroga pela 3ª vez – A CPI da Covid planeja convocar pela terceira vez o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para depor. A cúpula da comissão quer que ele explique o recuo na vacinação de adolescentes, que contrariou especialistas. Segundo o presidente, Omar Aziz (PSD-AM), Queiroga deve ser ouvido na semana seguinte à entrega do relatório, que se inicia em 4 de outubro. O ministro também será questionado sobre a operadora de saúde Prevent Senior. Segundo um dossiê feito por médicos, a empresa atuou para ocultar mortes de pacientes que participaram de um estudo para testar a eficácia da hidroxicloroquina e azitromicina no combate ao coronavírus. O documento entregue à CPI aponta que conselheiros informais do presidente Bolsonaro, do chamado “gabinete paralelo”, acompanhavam de perto a pesquisa.

Itamaraty quer anunciar doação de vacina na ONU – Contra o desgaste internacional, o Itamaraty quer que o presidente Jair Bolsonaro divulgue uma agenda positiva ao discursar amanhã na Assembleia-geral da Organização das Nações Unidas. Uma das medidas que diplomatas tentam fazer o presidente anunciar é a doação de vacinas contra a covid-19 para nações da América Latina em piores condições de combate à pandemia, como Paraguai e Haiti, segundo assessores que participam da elaboração do discurso. Bolsonaro entrou ontem pela porta dos fundos do hotel onde está hospedado, em Nova York, enquanto poucos manifestantes contrários o aguardavam com faixas na entrada principal. Não havia apoiadores no local. Em 2019, última vez que esteve na cidade, Bolsonaro encontrou manifestantes a favor e contra seu governo. Na ocasião, entrou pela porta da frente do mesmo hotel.

Apagão: ONS descarta relação com crise hídrica – O operador nacional do sistema elétrico atribuiu à falha de uma subestação de Furnas em Rio das Ostras a queda de energia que deixou mais de 70 cidades do RJ e MG sem luz sábado à noite por uma hora. O órgão e o Ministério de Minas e Energia ressaltaram que a paralisação não foi causada pela crise hídrica.

TSE: A troca de corregedor não deve impactar as ações – Um dos principais cargos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o cargo de Corregedor-Geral da Justiça Eleitoral mudará de ocupante em pouco mais de um mês. O mandato do ministro Luís Felipe Salomão termina no dia 29 de outubro, que passará o cargo ao ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Mauro Campbell Marques. Com a troca de ministros, também mudam de mãos as ações de investigação eleitoral que poderiam levar à cassação do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com a legislação, o correge dor-geral (ministro mais antigo do STJ no TSE) é quem conduz as investigações por “abuso de poder econômico e político, e em detrimento da liberdade de voto”, caso da ação contra a chapa Bolsonaro-Mourão na eleição de 2018.

Pesquisas: Lula bateu no teto? – Batidas no liquidificador, as mais recentes rodadas de pesquisas eleitorais produzem um suco amargo para Jair Bolsonaro e azedo para a “terceira via”, mas não necessariamente aveludado para Lula. Claro, o petista saboreia a liderança folgada em todos os cenários. Quem enxerga longe, no entanto, vê sinais de que ele pode ter batido no teto. No levantamento do Datafolha, por exemplo, Lula oscilou um ponto para baixo de julho até aqui e está com 44% no principal cenário de primeiro turno. Também neste setembro, o petista teve desempenho semelhante no do PoderData, com 37%. Na pesquisa Atlas Político, também deste mês, Lula oscilou de 39,1% para 40,6%. Em linhas gerais, os levantamentos indicam que o petista está perto do mesmo patamar em que se encontrava nas pesquisas no início de 2006 (em torno de 40%), quando ocupava o Planalto e se preparava para disputar sua última eleição presidencial. A boa lembrança para o PT é que Lula foi reeleito em 2006. A má é que o mensalão ainda estava longe de ser julgado (e condenado) pelo Supremo. De lá pra cá, o desgaste do petista e do PT só cresceu. Vieram o governo Dilma Rousseff e sua crise econômica, o escândalo da Petrobras, a Lava Jato, a prisão de Lula e tantas outras crises, que se refletem no alto grau de rejeição do ex-presidente petista. A título de comparação, em maio de 2006, Lula tinha 27% de rejeição segundo Datafolha, que hoje dá a ele rejeição de 38%.

João Doria (PSDB) é reprovado por 38% dos paulistas e bem avaliado por 24% – O governo de João Doria (PSDB) em São Paulo é reprovado por 38% da população, que consideram a gestão ruim ou péssima, enquanto 24% a avaliam como ótima ou boa. Outros 38% classificam o tucano como regular, segundo pesquisa Datafolha. A nota média do governo Doria, entre 0 e 10, foi de 4,7. O instituto ouviu presencialmente 2.034 pessoas, em 70 cidades do estado, de segunda (13) a quarta (15) da semana passada. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou menos.

Bolsonaro fala de ambiente e viagens com Boris – O presidente Jair Bolsonaro terá nesta segunda-feira (20) o primeiro encontro bilateral com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, durante a sua viagem a Nova York para participar da Assembleia-Geral da ONU. Os dois líderes devem tratar de meio ambiente e sustentabilidade, de vacinas contra a Covid-19, do apoio à entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e da expansão do comércio entre os países no pós-Brexit. Também existe a expectativa, do lado brasileiro, de que tratem da restrição de viagens ao Reino Unido.

Bolsonaro entra em hotel pela porta dos fundos – Bolsonaro já chegou aos EUA e está instalado em um hotel em Nova York, onde entrou por uma porta alternativa na tarde deste domingo e não falou com a imprensa. A assessoria de comunicação havia orientado os jornalistas a aguardar na portaria principal e garantido que ele passaria ali. Mais tarde, porém, avisou que ele já estava no hotel e entrou por outra porta. Um grupo de cerca de dez pessoas levaram faixas em defesa dos indígenas e pedindo a saída de militares. Ao saber que Bolsonaro já tinha entrado no hotel, eles gritaram palavras de ordem como “criminoso entra pelos fundos”.

Morre Luis Gustavo, 87 – Filho do diplomata, professor e escritor espanhol Luiz Amador Sanchez com a atriz Helena Blanco, Luis Gustavo, ou Tatá para amigos, nasceu em 1934 em Gotemburgo, cidade sueca onde seu pai foi cônsul da Espanha. Antes de completar cinco anos, com a transferência do pai para Brasil, ele se mudou para o Rio de Janeiro e logo para São Paulo, onde se naturalizou brasileiro. Quem o levou para a televisão foi o ator e diretor Cassiano Gabus Mendes, que se casou com sua irmã, Helenita. Seu primeiro grande papel em novelas, ou ao menos o personagem que deu a ele uma projeção até então não experimentada, foi o protagonista homônimo da novela “Beto Rockfeller”, de 1968, um tipo conquistador, gentil e espertalhão. Em 1976, a Globo contratou Luis Gustavo, e sua estreia na emissora se deu na novela “Anjo Mau”, escrita pelo cunhado. Mas foi em 1982 que voltou a fazer um papel de popularidade máxima, o detetive atrapalhado Mario Fofoca, com seus ternos quadriculados, na novela “Elas por Elas”, também de Gabus Mendes. Entre 1996 e 2002, Luis Gustavo interpretou o simpático tio Vavá, chefe de uma família um tanto disfuncional no programa humorístico “Sai de Baixo”, da Globo, ao lado de Miguel Falabella, Aracy Balabanian e Marisa Orth.

Hospital tem alta de tentativa de suicídio de jovens – Um estudo da USP, ainda não publicado, que acompanhou por meio de um painel online a rotina de 6.000 crianças e adolescentes brasileiros durante o primeiro ano a pandemia, constatou que 36% deles apresentaram sinais de depressão e ansiedade. Em outros países, como EUA e Reino Unido, pesquisas que utilizaram metodologia semelhante identificaram, durante a pandemia, uma prevalência de sintomas depressivos de 25% nessa população.

União pagou empresas ligadas a garimpo suspeito – O governo federal pagou R$ 124 milhões a empresas que fazem uso de helicópteros suspeitos de garantir a logística em garimpos ilegais em terra indígena na Amazônia. Desse valor, R$ 75 milhões (60,5%) foram pagos nos dois anos e nove meses do governo Jair Bolsonaro. Uma operação da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), com a participação da Polícia Federal, suporte do Ibama e coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, apreendeu ou interditou em Roraima 66 aeronaves suspeitas de atuação em mineração na terra yanomami, a maior do Brasil. O valor total, R$ 124 milhões, está registrado no Portal da Transparência do governo federal. Uma pequena parte foi destinada às empresas por Codevasf – Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (R$ 506 mil), Exército (R$ 6,5 mil) Anac (R$ 4 mil) e Embrapa (R$ 3,6 mil). A fatia mais expressiva dos pagamentos é do Ministério da Saúde, para fins de saúde indígena.

Ministro de Bolsonaro apresentou projeto de passaporte de vacina – O ministro das Comunicações, Fábio Faria, apresentou projeto de lei que propunha o chamado “passaporte da vacina” na rede de ensino pública quando era deputado federal, em 2019. O presidente Jair Bolsonaro e seus aliados vêm atacando governadores e prefeitos que têm implementado a exigência de apresentação de comprovante de vacinação contra Covid-19 para frequentar espaços públicos e privados. O presidente disse recentemente que tentaria impedir a medida. O projeto de Faria, atualmente licenciado do mandato de deputado pelo PSD do Rio de Grande do Norte, determinava que a carteira de vacinação fosse requisito para matrícula escolar em todos os níveis de educação e também de universidades, quando o aluno fosse menor de idade.

Queiroga leva em voos da FAB esposa, filhos e parentes de outras autoridades – O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) levou sua esposa e seus filhos, além de parentes de outras autoridades, em pelo menos 20 voos oficiais feitos com aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira). Os dados foram extraídos de registros de 68 voos do Ministério da Saúde de 25 de março a 8 de agosto, obtidos pela Folha por Lei de Acesso à Informação. Todos estes deslocamentos serviram para agendas oficiais de Queiroga, que assumiu o cargo em 23 de março. A médica Simone Queiroga acompanhou o ministro, seu marido, em 11 destes trajetos. Em duas ocasiões o destino foi João Pessoa, onde o casal tem residência. O ministério não quis informar se os parentes de Queiroga e de outras autoridades participaram das agendas ou por qual razão usaram as aeronaves da FAB. A pasta disse apenas que o ministro tem liberdade para preencher as vagas ociosas nas aeronaves.

Comitiva robusta – A comitiva do presidente à cidade tem oito ministros, entre eles Carlos Alberto França (Relações Exteriores), Joaquim Leite (Meio Ambiente), Anderson Torres (Justiça e Segurança Pública) e Marcelo Queiroga (Saúde), além do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Os ministros Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno, da Secretaria-Geral e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, respectivamente, também viajaram para os Estados Unidos. O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a ser anunciado em publicação do Diário Oficial como parte da comitiva, mas não viajou e cumprirá agenda em Brasília hoje. Além dos membros do governo, também acompanham Bolsonaro a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e o filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

error: