PoderData: 83% dizem que há machismo no Brasil, mas só 11% se consideram machistas | Claudio Tognolli

Para 7%, país não tem machismo

80% dizem não ter preconceito

Leia pesquisa do PoderData

Marcha das Vadias na praia de Copacabana, em 2014Fernando Frazão/Agência Brasil – 9.ago.2014


08.mar.2021 (segunda-feira) – 6h00

Pesquisa PoderData mostra que 83% dos brasileiros dizem haver machismo no Brasil. Para 7% da população, a desigualdade de gênero não existe no país. Essa é a 1ª vez que a divisão de estudos estatísticos do Poder360 pergunta sobre a percepção de machismo no país.

Além de questionar os entrevistados sobre machismo, o PoderData fez a seguinte pergunta: “Você se considera uma pessoa machista?”. Os entrevistados que se consideram machistas são 11% do total. Já os que não se consideram machistas somam 80%.

Ou seja, 83% dos brasileiros acham que há machismo no país, mas só 11% se consideram machistas.

Tocador de vídeo

Os números estão sendo divulgados nesta 2ª feira (8.mar.2021), Dia Internacional da Mulher. A data lembra a luta das mulheres durante a 1ª onda do feminismo, marcada por reivindicações de trabalhadoras por maior igualdade na sociedade entre o fim do século 19 e o início de século 20. O 8 de março foi oficializado como data da mulher pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1977.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 1º a 3 de março, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 509 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

ESTRATIFICAÇÃO DO MACHISMO

PoderData também apresenta como se dividem as respostas sobre a percepção do machismo no Brasil e aqueles que se consideram machistas. Os estratos analisados foram sexo, idade, região, nível de instrução e renda.

Os que mais admitem ser machistas são: mulheres (15% se dizem machistas); jovens de 16 a 24 anos (14%); pessoas que cursaram o ensino fundamental (15%); moradores da região Norte (18%); aqueles que recebem de 2 a 5 salários mínimos (24%).

Os que menos enxergam haver machismo no país são: homens (12%); adultos de 45 a 59 anos (10%); pessoas que cursaram o ensino superior (12%); moradores da região Norte (13%); aqueles que recebem de 2 a 5 salários mínimos (12%).

 

 

MACHISMO X AVALIAÇÃO DE BOLSONARO

O levantamento fez ainda o cruzamento entre o que pensam os brasileiros sobre machismo e como avaliam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro.

Os entrevistados que mais se reconhecem machistas (14%) são os que avaliam o trabalho de Bolsonaro como “ruim” ou “péssimo”. Esse grupo que rejeita o presidente também registra a taxa mais elevada (91%) dos que dizem enxergar machismo no Brasil. Já entre os que avaliam positivamente o trabalho do presidente, são 10% os que se reconhecem como machistas.

HOMENS MACHISTAS X MACHISMO NO BRASIL

A pesquisa PoderData também mostra que 80% dos homens avaliam que há machismo no Brasil, mas só 8% afirmam ser machistas. Outros 86% dizem que não são. Leia mais nesta reportagem.

O levantamento ainda constatou que o percentual de mulheres que dizem ser machistas (15%) é maior que o de homens (8%).

PESQUISAS MAIS FREQUENTES

PoderData é a única empresa de pesquisas no Brasil que vai a campo a cada 15 dias desde abril de 2020. Tem coletado um minucioso acervo de dados sobre como o brasileiro está reagindo à pandemia de coronavírus.

Num ambiente em que a política vive em tempo real por causa da força da internet e das redes sociais, a conjuntura muda com muita velocidade. No passado, na era analógica, já era recomendado fazer pesquisas com frequência para analisar a aprovação ou desaprovação de algum governo. Agora, no século 21, passou a ser vital a repetição regular de estudos de opinião.

PODERDATA

Leia mais sobre a pesquisa PoderData:

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.


Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

error: