Rio- A Polícia Federal realiza, na manhã desta sexta-feira, uma operação de busca e apreensão em cinco endereços ligados a Nythalmar Dias Ferreira Filho, advogado de réus famosos da Lava-Jato.

Segundo informações do Bom Dia Rio, as buscas aconteceram em Campo Grande, na Zona Oeste, no Centro, em Ipanema e no Catete, ambos na Zona Sul.

PUBLICIDADE

Teste:  Com qual candidato você mais se identifica?

Nythalmar, conhecido como “o mais caro criminalista da Lava-Jato”,  é suspeito de vender um acesso facilitado ao juiz Marcelo Bretas e prometer penas mais brandas a seus clientes nas negociações de delações premiadas. O juiz não é investigado.

Na sua lista de clientes já estiveram Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados; Fernando Cavendish, ex-dono da Delta Construções; Arthur Soares, empresário conhecido como Rei Arthur; Júlio Lopes, ex-deputado federal; e José Mariano Beltrame, ex-secretário de Segurança do RJ.

Confira:  Entrevistas do GLOBO com os candidatos à Prefeitura do Rio

Nythalmar Dias Ferreira formou-se pela UniverCidade. Seu primeiro emprego no Rio, aonde chegou com 16 anos, foi no Bob‘s. Foto: Reprodução
Nythalmar Dias Ferreira formou-se pela UniverCidade. Seu primeiro emprego no Rio, aonde chegou com 16 anos, foi no Bob‘s. Foto: Reprodução

 

Um perfil publicado pela revista Época mostrou que Nythalmar Dias Ferreira Filho chegou a receber um apartamento na Zona Sul do Rio de presente do empresário Fernando Cavendish. O advogado atribuía seu sucesso a à sagacidade de entender que a Lava-Jato era um “caminho sem volta”, aposentando “o formalismo jurídico que recorria a manobras processuais para evitar o julgamento do mérito”.

Conselho de ÉticaChico Rodrigues pode ser cassado mesmo durante licença

Sua estratégia era partir direto para a negociação de colaborações premiadas com as autoridades, em troca da promessa de liberdade de seus clientes.

“O acordo é um meio de defesa mundial. É mais econômico e tem resultado imediato. O cliente ganha uma segunda chance na vida”, afirmou à Época.

Em março de 2019, o Tribunal de Ética da OAB do Rio de Janeiro chegou a apurar a conduta de Nythalmar , após acusações de cooptação indevida de clientes da Lava-Jato com defesa constituída.