O que é o Talibã do Afeganistão? | Claudio Tognolli

Deutsche Welle

 

Populares, militante talibã sentado em veículo blindado e letreiro do aeroporto de Cabul ao fundoRetorno dos talibãs provoca medo na população afegã

No idioma pachto, “talibã” significa “estudante”. Hoje em dia, porém, o nome do movimento militante do Afeganistão evoca antes imagens de terror e destruição do que de homens e mulheres debruçados sobre livros.

Depois que o Talibã completou sua tomada do país, no domingo (15/08), ao ocupar a capital, Cabul, e se instalar no palácio presidencial, centenas de civis invadiram a pista do aeroporto local, em pânico. Eles tentaram embarcar nos poucos aviões militares que ainda estavam decolando, tamanho seu desespero de escapar de um país agora mais uma vez sob o domínio dos fundamentalistas islâmicos.

Quem é o grupo ultraconservador que tanto medo inspira, no Afeganistão e mais além? A DW compilou os principais dados a respeito. (Atenção: no artigo, o termo “Talibã” refere-se sempre ao grupo afegão, não à facção do Paquistão.)

Liderança talibã

Há uma clara hierarquia dentro do grupo islamista, cujo líder supremo desde 2016 tem sido Mawlawi Hibatullah Akhundzada. O erudito religioso é autoridade máxima em todas as questões políticas, religosas e militares, apoiado por três vices e um ministros encarregados de áreas como forças armadas, serviço secreto e economia. Constituído por 26 membros, o Rahbari Shura ou Quetta Shura é a mais alta autoridade consultiva.

O braço político do Talibã, que o representa internacionalmente, é sediado em Doha, Catar, e liderado pelo cofundador do grupo, o mulá Abdul Ghani Baradar. Foi esse subgrupo que, por exemplo, se encarregou das negociações com os Estados Unidos, sob liderança do mulá Abdul Hakim.

Infografik Afghanistan Taliban Führer PT

Finanças do Talibã

O grupo militante faz muito dinheiro com a exportação de ópio e heroína: a Organização das Nações Unidas estima o faturamento com o comércio ilícito de drogas, apenas em 2018 e 2019, em mais de 400 milhões de dólares, o que equivale a 60% da renda total dos talibãs.

Outras fontes de renda são mineração, impostos e doações, segundo o analista de política econômica Hanif Sufizada, do Centro de Estudos sobre o Afeganistão. Supõe-se que alguns países também transfiram dinheiro diretamente para o Talibã.

Guido Steinberg, do Instituto Alemão para Política Internacional e Segurança (SWP), explica que o grupo conta com dois países aliados: “Um é bastante improvável: o Irã. As Guardas Revolucionárias têm apoiado o Talibã nos últimos anos, para derrotar os americanos. Porém o mais importante é o Paquistão, que luta ao lado do Talibã.”

História do Talibã

O Talibã emergiu da brutal guerra civil que se sucedeu à retirada da União Soviética do Afeganistão. Embora o grupo tenha se formado oficialmente em 1994, depois do fim da Guerra Fria, alguns dos seus combatentes haviam lutado contra as forças soviéticas, com o ajuda secreta da CIA e forte apoio saudita e paquistanês.

Especula-se que a origem do nome do movimento seria o fato de muitos de seus membros terem sido estudantes de madrassas (escolas religiosas) afegãs e paquistanesas onde se prega uma forma extrema do islã sunita, e que eram financiadas com dinheiro saudita. Inicialmente, o Talibã era apenas mais um entre centenas de grupos que lutavam na guerra civil que eclodiu após a retirada soviética.

O mulá Mohammed Omar, que se tornaria o fundador do Talibã afegão, ficou desapontado por a lei islâmica não ter sido instaurada em seu país após o fim da ocupação soviética. Ele reuniu 50 estudantes que juraram livrar o Afeganistão de senhores da guerra e criminosos. Eles falavam em restaurar a ordem, a paz e a segurança no país assolado pela guerra.

O grupo cresceu rapidamente, com apoio decisivo dos serviços de inteligência do Paquistão, e começou a tomar cidades e províncias. O grupo era inicialmente popular entre a população, por combater sádicos senhores da guerra – muitos deles anteriormente apoiados pelos EUA -, reabrir rotas de comércio e por proibir práticas tribais difundidas no interior do Afeganistão como a “Bacha bazi”, uma forma de escravidão sexual de meninos.

Em 1996, os talibãs ocuparam a capital Cabul e derrubaram o governo. Também executaram brutalmente um ex-presidente do país que governou com apoio soviético. Dois anos mais tarde, o regime tinha controle sobre 90% do Afeganistão.

Valores talibãs: o rigor da sharia

No entanto, o saldo do regime talibã não foi apenas um comércio mais seguro: a ideologia do grupo se baseia no salafismo, uma forma radical do islamismo. Uma vez no poder, ele impôs com rigor a lei da sharia, em parte contrária aos direitos humanos e especialmente severa com as mulheres e meninas.

A partir dos dez anos, as meninas ficavam proibidas de frequentar a escola. As mulheres tinham que trajar burca, cobertas da cabeça aos pés. Dirigir automóveis era punido com pena de morte, e elas só podiam sair em público escoltadas por um homem, em geral o marido ou um irmão. Televisão, música e salas de cinema foram banidos para todos os afegãos. Assassinos e adúlteros eram executados em público, furtos eram punidos com amputação.

O regime também passou a destruir símbolos que não se enquadravam na sua visão radical, como estátuas budistas milenares e também orndenou que praticantes de outras religiões usassem emblemas em suas vestimentas para que fossem identificados em público.

Segundo observadores, décadas depois, os talibãs não mudaram sua abordagem. “Os relatos vindos de Kandahar e outras regiões já ocupadas nas últimas semanas não soam promissores”, diz a analista americana Jessica Berlin. “Não temos nenhuma razão para acreditar que eles se tornaram mais humanitários.”

Infografik Karte Afghanistan Taliban Kontrolle Regionen PT

Fim do primeiro regime talibã

A comunidade internacional passou a tratar como pária o Afeganistão sob regime talibã, devido às infrações dos direitos humanos, mas não interveio até depois dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, que fizeram 3 mil vítimas nos Estados Unidos.

O líder Osama bin Laden, que orquestrara os ataques com sua rede terrorista Al Qaeda, encontrou asilo no Afeganistão. Quando o Talibã se recusou a entregá-lo, os EUA, sob o presidente George W. Bush, invadiram o país e acabaram por derrubar o governo extremista.

Ressurgência talibã

Em 2018, o governo americano do presidente Donald Trump começou a negociar um tratado de paz com o Talibã, sem incluir o governo eleito. Líderes do grupo foram soltos a pedido do governo republicano. Conversações internas de paz entre o governo afegão e os rebeldes se iniciaram em setembro de 2020, mas logo se estagnaram. Trump também passou a retirar tropas do país nas semanas finais do seu mandato e estabeleceu que todos os soldados sairiam em maio de 2021.

Em abril de 2021, o presidente Joe Biden anunciou um adiamento, determinando que as forças dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se retirariam do Afeganistão até 11 de setembro, 20º aniversário dos atentados de Nova York e Washington. Pouco depois, o prazo foi antecipado para o fim de agosto. Serviços de inteligência dos EUA previam que Cabul poderia se manter por mais alguns meses após saída americana.

Mas críticos expressaram apreensão pela rapidez da saída das tropas, temendo que o país caísse no caos, e que o governo democraticamente eleito não fosse capaz de manter o poder. Tudo indica que eles estavam com a razão.

error: