Novo escândalo: empresa chinesa acusada de fraudar licitação no Espírito Santo | Claudio Tognolli

Lembra do caso da Ferrovia Norte-Sul, quando o jornalista Janio de Freitas revelou quem venceria a concorrência que se realizaria dias depois? Pois o caso parece repetir-se no Espírito Santo: o jornal Folha do Espírito Santo revelou com antecedência que um contrato de R$ 139 milhões para implantação do programa “Cerco Inteligente”, com uma Central de Análises e Monitoramento controlando 1.160 câmeras para vigilância de rodovias, seria ganho em concorrência pela empresa chinesa Dahuá. Ganhou – ou melhor, tomou: um consórcio de grandes empresas apresentou preço mais baixo e seria o vencedor se não fosse oportunamente inabilitado, dando a vitória à empresa que o jornal já havia anunciado de véspera como vencedora. Num pen-drive obtido pela Folha do Espírito Santo está tudo.

De acordo com o pen-drive já em poder do Ministério Público, a Dahuá se comportava como dona da concorrência: tinha livre acesso às comunicações confidenciais dos outros concorrentes com o governo, era informada das comunicações internas entre as autoridades e, sempre que havia dúvidas nos órgãos oficiais de controle, eram os chineses da Dahuá que providenciavam a resposta, em nome dos organizadores da concorrência. Há no pen-drive, também, comunicações dos dirigentes da empresa no Espírito Santo com o escritório central na China, narrando como corriam os negócios. A deputada federal Soraya Manato, do PSL, já articula com parlamentares estaduais o pedido de impeachment do governador Renato Casagrande. Advogados de porte propõem a anulação da concorrência. E o Governo estadual? Pelo jeito, está bravo: o deputado estadual Sérgio Majeski, socialista como o governador, pediu que o caso seja investigado, e querem tirá-lo do partido o mais rapidamente possível.

Leia todo o pen drive

https://drive.google.com/drive/folders/11sDtjqfONJLTkVzpRi3LVp9DSQhOR7Mn

 

error: