Novo dinossauro brasileiro é nomeado em homenagem ao Museu Nacional | Claudio Tognolli

Deutsche Welle

Detalhe da pata do dinossauro 'Aratasaurus museunacionali'Apenas uma das patas do animal está preservada, a direita traseira

Pesquisadores brasileiros apresentaram detalhes sobre uma espécie inédita de dinossauro encontrada há mais de dez anos no sertão do Ceará. Terrestre e carnívoro, o animal foi batizado de Aratasaurus museunacionali, em homenagem ao Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

O estudo detalhando a descoberta foi publicado nesta sexta-feira (10/07) na revista científica Scientific Reports, do grupo Nature, por pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), da Universidade Regional do Cariri (Urca) e do Museu Nacional.

O fóssil foi achado em 2008 na bacia sedimentar do Araripe, em Santana do Cariri, no sul do Ceará, e passou a ser estudado por pesquisadores do estado, além de cientistas de Pernambuco e Rio.

O espécime estava abrigado no Museu Nacional quando um incêndio devastou grande parte de seu acervo, em setembro de 2018, mas em um anexo que não foi atingido pelo fogo. O nome buscou homenagear os esforços dos pesquisadores da instituição que continuaram trabalhando mesmo após a tragédia.

O gênero do animal também faz referência ao incêndio. Alexander Kellner, diretor do Museu Nacional, explicou que “ara” e “ata” vêm do tupi e significam nascido e fogo, respectivamente. Já “saurus” vem do grego e é muito usado para denominar espécies répteis recentes e fósseis. A tradução de Aratasaurus, portanto, seria nascido do fogo, em alusão às chamas no museu.

Ilustração de como deve ter sido o 'Aratasaurus museunacionali'Ilustração mostra como o bicho deve ter sido, há dezenas de milhões de anos

Os cientistas estimam que o fóssil tenha entre 110 e 115 milhões de anos. Apenas uma das patas do animal está preservada, a direita traseira. “A forma como os ossos estão dispostos, articulados, levam a crer que ele provavelmente deveria estar mais completo antes de sua coleta”, disse Renan Bantim, paleontólogo da Universidade Regional do Cariri.

Apesar de incompleto, grande parte das peculiaridades anatômicas do Aratasaurus museunacionali está nos dedos da pata, isso quando comparado com outros dinossauros celurossauros – animais corredores que chegavam a medir até três metros de comprimento, tinham pescoço comprido e flexível e cauda longa, como o Tiranossauro Rex e o Velociraptor.

Segundo os pesquisadores, embora à primeira vista pareça pouca coisa, esses ossos guardam características anatômicas importantes para sua classificação e para entender sua evolução.

Ao analisar as dimensões da pata e comparar o novo dinossauro com espécies evolutivamente próximas que são mais completas, a equipe de cientistas chegou à conclusão de que se tratava de um animal de médio porte, chegando aos 3,12 metros e podendo ter pesado até 34,25 quilos.

Pela análise dos ossos, contudo, os pesquisadores verificaram que se tratava de um dinossauro jovem quando morreu, podendo crescer ainda mais até chegar na sua fase adulta.

A anatomia do fóssil encontrado, principalmente a dos dedos do pé, indica que se trata de uma linhagem de dinossauro com origem mais antiga do que a que deu origem aos tiranossaurídeos. Ainda não se sabe muito sobre onde essas linhagens mais antigas estavam no planeta.

“O Aratasaurus aponta que parte dessa rica história pode estar no Nordeste do Brasil e na América do Sul. Sendo assim, ainda há muitas lacunas para desvendar esse quebra-cabeças evolutivo, mas com essa descoberta colocamos mais uma peça para entendê-lo”, afirma a paleontóloga Juliana Sayão, da UFPE.

error: