Governo da Bolívia tenta impedir que partido de Evo Morales concorra às eleições presidenciais | Claudio Tognolli

 Os protestos contra o novo adiamento das eleições presidenciais na Bolívia são o mais novo ingrediente da crise política no país, onde soa o alarme sobre o perigo de uma guerra civil diante da crescente tensão entre os apoiadores do MAS e setores de extrema direita ligados à presidente golpista Jeanine Áñez.

 

No fim de semana houve confrontos violentos , entre forças de segurança e as organizações sociais aglutinadas na Central Obrera Boliviana (COB) e o Pacto de Unidade.

Nesta segunda-feira (10) essas organizações iniciaram novos protestos contra o adiamento das eleições de 6 de setembro para 18 de outubro.

Os partidários de Evo Morales consideram que a pandemia é apenas de um pretexto para que seus rivais de direita e extrema direita ganhem tempo, já que estão realizando uma série de manobras para impedir a indicação de Luis Arce, candidato à presidência do MAS que, segundo as pesquisas, encabeça as intenções de voto, informa a RT.

error: