Gastos com combate ao coronavírus elevam déficit público a R$ 419 bilhões | Claudio Tognolli

Veja

Ministério da Economia divulgou dados preliminares sobre os impactos do coronavírus (Covid-19) para as contas públicas, em coletiva de imprensa realizada na noite desta quinta-feira, 2. O secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues, avalia que os impactos no déficit primário, quando não se consideram juros, chegará a 419 bilhões de reais ao final do ano. Segundo o governo, o impacto das medidas de estímulo à economia e de combate à doença somam 224 bilhões de reais. A meta estipulada antes da Covid-19 atingir em cheio a economia do país era de 124 bilhões de reais e o otimismo do secretário impressionava. Em entrevista ao jornal Valor Econômico em novembro, Rodrigues projetava um déficit “bem menor”, graças à redução dos juros e estimativa de receitas mais gordas, além da expectativa pela aprovação das reformas e atração de investidores.

Os valores projetados pelo secretário somam o maior rombo já registrado na história. De acordo com ele, os números ainda poderão ser revisados, com novos possíveis (e prováveis) gastos do governo para conter a pandemia e manter empregos e renda.

O auxílio de 600 reais, ainda não sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, a informais custará 98 bilhões de reais às contas públicas, segundo estimativas da Secretaria de Fazenda. Já o programa, estipulado por medida provisória, que prevê a redução de salários e de jornada dos trabalhadores da iniciativa privada custará 51,2 bilhões de reais, visto que o governo arcará com até 70% dos vencimentos para que as empresas não demitam. Já o programa de crédito para estados e municípios tem impacto previsto de 34 bilhões de reais, enquanto a recomposição dos fundos estaduais e municipais, para auxiliar nos sistemas de saúde — demanda dos governadores — custará 16 bilhões de reais.

Segundo os dados detalhados do Ministério da Economia, as contas do Governo Federal terão impacto de 2,2 bilhões com a suspensão de impostos sobre equipamentos médico-hospitalares e 7,1 bilhões de reais ao abrir mão da cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras, o IOF, para que a população e empresas obtenham crédito.

error: