Demissão de Levy: para mercado financeiro avaliação é de que o presidente aparentemente "não está nem aí para o ânimo dos investidores estrangeiros com o Brasil" | Claudio Tognolli

Mercado financeiro reage pessimamente à demissão de Joaquim Levy do BNDES. A avaliação é de que o presidente aparentemente “não está nem aí para o ânimo dos investidores estrangeiros com o Brasil”. Episódios como este “dificultam um ambiente de estabilidade no mercado”, avaliam membros do mercado.

De acordo com o presidente de uma gestora internacional de recursos, a despeito de o investidor internacional ser pragmático e gostar da atual equipe econômica, não tem uma imagem tão positiva em relação ao governo Bolsonaro. Ele considera que falta postura ao presidente e reclama da recorrência de episódios desgastantes.

“Agora tem o presidente do BNDES. Antes, foi o presidente dos Correios. Teve também o Santos Cruz. Se a crise Moro crescer… aí começa a ficar complexo”, avaliou.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, uma fonte lembra que Levy já foi uma escolha feita pelas mãos do ministro da Economia, Paulo Guedes.

O nome de Levy teve dificuldade de passar pelo ‘escrutínio’ da ‘direita’. O estopim foi a indicação de Marcos Pinto Barbosa, ex-sócio de Armínio Fraga no Gávea Investimentos, para o cargo de diretor de Mercado de Capitais do banco de fomento.

error:
0