Delegacia de Homicídios RJ seguirá investigando Marcello Siciliano (PHS) – Claudio Tognolli

A Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro seguirá investigando o vereador carioca Marcello Siciliano (PHS) como possível mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes, no dia 14 de março de 2018.

Segundo os jornalistas Lucas Altino e Vera Araújo, do Globo, o nome dele foi citado como a pessoa que encomendou o crime por R$ 200 mil na mesma denúncia anônima que acusou Ronnie Lessa de ser o executor. A revelação consta da investigação da Delegacia de Homicídios (DH), que partiu desse testemunho para chegar a Lessa.

No dia 15 de outubro de 2018, a DH recebeu uma denúncia anônima informando que o ex-policial conhecido como Lessa, apelidado de “Perneta”, seria o autor do assassinato de Marielle. O denunciante disse que o executor, um “ex-caveira”, teria saído do restaurante Tamboril, no Quebra-Mar rumo ao local do atentato, e que fora encomendado por R$200 mil para a empreitada criminosa.

Marcello Siciliano já havia sido apontado como mandante do crime por uma outra testemunha, em maio do ano passado. Segundo esse primeiro denunciante, um ex-motorista de Orlando Curicica, preso por porte ilegal de arma e acusado de ser miliciano, o vereador havia afirmado, num encontro com Orlando no restaurante Oficina do Chopp que desejava a morte de Marielle, provavelmente devido à sua atuação parlamentar na luta fundiária de Vargens, região que seria de interesse de Siciliano e Curicica.

O vereador Marcello Siciliano (PHS) gravou um vídeo na manhã dessa terça-feira (12) dizendo que espera que os assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes sejam solucionados “de forma correta”. “Eu sigo aqui na expectativa para que esse crime cometido contra a Marielle e o Anderson seja solucionado de forma correta pra que todos os envolvidos paguem e que eu, definitivamente, possa tocar minha vida”, declarou.

error:
0