DataPoder investigou: Datafolha não deu destaque merecido a um fator: Lula perdeu 1/3 do voto espontâneo em um ano – Claudio Tognolli

Do DataPoder

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu 1/3 da intenção de voto espontânea que tinha há 1 ano. Em junho de 2017, segundo o Datafolha, 15% dos eleitores diziam o nome de Lula quando indagados sobre em quem pretendiam votar para presidente. Hoje, 1 ano depois, a taxa é de 10%.

Quando se considera a taxa de Lula em setembro de 2017, a queda foi ainda maior. Naquele mês do ano passado o petista chegou a ter 18% de intenção de voto espontânea.

Lula foi condenado pela Lava Jato a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O petista cumpre sua pena em Curitiba(PR) desde 7 de abril de 2018.

PT lançou Lula como candidato, mas o mais provável é que o registro seja rejeitado pela Justiça Eleitoral, pois o petista é considerado ficha suja por já ter sido condenado em 2ª Instância.

A pesquisa Datafolha foi realizada nos dias 6 e 7 de junho de 2018 em 174 cidades com 2.824 pessoas entrevistadas pelo sistema face a face (presencialmente). A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O registro no TSE foi feito sob o número BR-05110/2018. O custo declarado do estudo foi de R$ 398.344,00, valor pago com “recursos próprios” da Empresa Folha da Manhã S/A, que edita o jornal “Folha de S.Paulo”.

A intenção de voto espontânea é medida com o entrevistador fazendo uma pergunta direta, sem apresentar nomes para estimular o eleitor: “Este ano haverá eleição para presidente da República. Em quem você pretende votar para presidente na eleição deste ano?“. Em teoria, essa pergunta revela o voto mais cristalizado de cada possível candidato.

O Datafolha divulgou neste domingo apenas as intenções de voto espontâneas em Lula e no pré-candidato do PSL, o deputado Federal Jair Bolsonaro, que pontua 12%.

O capitão do Exército na reserva nunca teve 12% de voto espontâneo. Embora suas variações percentuais sejam sempre na margem de erro de uma pesquisa para outra, sua curva é ascendente de janeiro de 2018 para cá.

Observações que podem ser feitas a respeito dos resultados do Datafolha:

  • Queda de Lula no voto espontâneo – o eleitor parece aos poucos entender que é improvável que o petista seja candidato. Sua queda na pesquisa espontânea é 1 sinal inequívoco dessa percepção entre os entrevistados;
  • Jair Bolsonaro com 1/5 dos votos – o capitão do Exército na reserva parece ter se consolidado em torno de 20% das intenções de voto. Na pesquisa Datafolha, teve 19%. No DataPoder360 do final de maio, registrou 21% em 1 cenário parecido ao do Datafolha. Bolsonaro também parece em ascensão no voto espontâneo e 77% dos seus eleitores dizem que não mudam mais de posição (segundo o DataPoder360);
  • Marina Silva – a pré-candidata da Rede aparece como 2ª colocada em cenários sem Lula. No DataPoder360 ela surge numericamente atrás de Ciro Gomes (PDT). Por que isso acontece? Apesar de estar há bastante tempo na vida pública e ser uma política tradicional, Marina é hoje entre os pré-candidatos competitivos o nome que projeta uma imagem do que seria o mais próximo do “novo” no imaginário popular. Em pesquisas com entrevistas face a face, ela tende a ser a depositária de preferências mais epidérmicas, de 1 eleitor ainda indeciso, mas que “não quer desperdiçar o voto” e faz uma espécie de “pit stop” com a candidata da Rede. Quase ninguém tem vergonha de votar em Marina, mas essa condição não indica que o voto seja definitivo. Daí as diferenças de uma pesquisa realizada pessoalmente (na qual parte do eleitorado prefere dizer, por enquanto, que vota na candidata da Rede) e num levantamento ao telefone (quando o entrevistado se sente à vontade para não ser politicamente correto). Isso fica muito claramente evidenciado no levantamento telefônico com 10.500 entrevistas do DataPoder360 em maio: só 41% dos que escolhem Marina dizem que suas decisões são finais. Os demais marinistas de ocasião dizem que ainda podem mudar o voto.
    • Ciro Gomes – seus votos parecem ser consistentes tanto em pesquisas presenciais como por telefone. Sem Lula na disputa, ele pontua de 10% a 11% no Datafolha. No DataPoder360, vai de 11% a 12%. Entre os eleitores de Ciro, 58% dizem já ter tomado a decisão definitiva.
      A maior dificuldade de Ciro será no momento em que o PT eventualmente lançar 1 candidato próprio a presidente. Os números de várias pesquisas indicam que há potencial para 1 petista legítimo chegar ao 2º turno. Nesse caso, Ciro poderia perder tração;
    • Geraldo Alckmin (PSDB) e Alvaro Dias (Podemos) – também tem taxas de intenção de voto semelhantes em pesquisas presenciais e por telefone. O tucano tem 7% em cenário sem Lula no Datafolha. No DataPoder360, registra 6% ou 7%. Já Alvaro Dias tem 4% no Datafolha e até 6% no DataPoder360. Ou seja, todas as marcas com variações dentro da margem de erro.
      Como o Datafolha entrevistou apenas 2.824 pessoas, a margem de erro nas estratificações regionais são limitadas. A margem de erro tende a ser muito maior. No levantamento do DataPoder360 do final de maio, com 10.500 entrevistas (cerca de 2.100 por região), é possível observar que Alckmin e Alvaro Dias têm votações irregulares em cada parte do país.
      • Fernando Haddad (PT) – há uma grande discrepância entre o 1% obtido pelo petista no Datafolha e os 6% a 8% registrados no DataPoder360.Por que isso acontece? Antes de mais nada é necessário levar em conta que são estudos diferentes, realizados em datas distintas e com metodologias diversas.Uma das razões principais que deve ser levada em conta está relacionada ao fato de o DataPoder360 ter optado por simular cenários reais, sem Lula, buscando estimular o eleitor a pensar em quem votaria sem o líder petista na disputa –o que parece ser o mais provável na data da eleição, em 7 de outubro.
        O nome de Lula não é mencionado no início da aplicação da pesquisa telefônica do DataPoder360 para não desviar a atenção do eleitor. No Datafolha, a primeira pergunta é sobre o voto espontâneo. Como Lula segue sendo muito popular, parte do eleitorado imediatamente se lembra do nome do petista e tende a rejeitar outras opções quando a pesquisa prossegue e mostra as cartelas do voto estimulado.
        No DataPoder360, a palavra ‘Lula’ não é pronunciada nem há estímulo para que seja lembrada. O eleitor petista ou lulista é confrontado logo no início da pesquisa com algum nome conhecido do partido. O que acontece então? O nome apresentado para ocupar essa vaga de Lula já tende já a herdar parte dos votos dos eleitores lulistas. É isso o que captamos no DataPoder360. Ao mostrar no 1º cenário, logo de cara, o nome de Fernando Haddad, o eleitor petista deu a ele 1 percentual maior do que em geral outras pesquisas captam. Trata-se de 1 sinal de como o eleitor petista está, neste momento, fazendo uma espécie de 1 pit stop com Lula. Se o PT de fato lançar outro nome, como o de Fernando Haddad ou o de Jaques Wagner, é possível que essa pessoa herde grande parte do voto de Lula”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto, responsável pelas pesquisas do DataPoder360

      COMPARAÇÃO COM OUTRAS PESQUISAS

      É errado comparar pesquisas com metodologias diferentes e/ou realizadas em momentos distintos. Por essa razão o estudo do Datafolha de 6 e 7 de junho de 2018 não deve ser comparado com o realizado pela mesma empresa em 11 e 13 de abril de 2018.

      No caso de levantamentos do DataPoder360, cujas perguntas são realizadas por meio telefônico automatizado, há também diferenças que devem ser levadas em conta e que explicam as diferenças dos resultados. Há 3 aspectos que devem ser considerados:

      1) cenário curtos – o DataPoder360 inicia a pesquisa com cenários curtos, de apenas 6 candidatos (os que pontuam na redondeza de 5% ou acima e o nome mais provável do PT: Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina Silva, Geraldo Alckmin, Fernando Haddad e Alvaro Dias). A ideia é não confundir o eleitor com políticos que não têm e possivelmente não terão competividade mais à frente.

      Quando se observa eleições anteriores no Brasil, os nanicos continuam nanicos no dia eleição, sempre com baixíssima votação. Para efeito de captar o interesse do eleitor neste momento, o DataPoder360 prefere iniciar seus levantamentos apresentando apenas os nomes que já parecem mais consolidados e verificar qual é o desempenho de cada 1 em cenários mais curtos. No final da pesquisa, uma combinação mais completa de nomes é apresentada;

      2) sem Lula – para não “esquentar” o eleitor com o nome de Lula não é apresentado em nenhum cenário. O DataPoder360 prefere, ao final, perguntar ao eleitor quem Lula deveria apoiar caso não seja candidato;

      3) sem espontânea – o DataPoder360 não faz a pergunta espontânea sobre em quem o eleitor pretende votar. Essa pergunta revela o “recall” dos nomes de possíveis candidatos. E teoria, indica o voto mais cristalizado que cada 1 tem. Ocorre que no início da pesquisa acaba estimulando o eleitorado petista a lembrar do nome de Lula. Como o PT, por estratégia, tem 1 discurso público de que o “o candidato é Lula” (ainda que sua postulação enfrente óbices judiciais), o eleitor que segue o partido começa a responder a pesquisa já propenso a rejeitar outras opções.

      DataPoder360 prefere aferir o voto cristalizado de outra forma. Indaga se o entrevistado tem certeza de que vai mesmo votar nos nomes que cita como preferidos no cenário estimulado ou se ainda pode mudar seu voto até o dia da eleição.


      Poder360 tem a maior compilação da internet com pesquisas sobre intenção de voto em todas as eleições desde o ano 2000 (clique aqui para ler a lista completa).

error:
0