Cresce movimento pela auditoria da auditoria milionária feita no BNDES/JBS: e que diz ter nada encontrado de irregular | Claudio Tognolli

Gleisi Hoffmann disse que vai se reunir com os parlamentares do PT para cobrar “auditoria da auditoria” que custou R$ 48 milhões ao BNDES, com o objetivo de abrir a “caixa-preta” de operações do banco estatal, informa o Estadão.

Os auditores disseram não ter encontrado irregularidades nas operações investigadas, realizadas entre 2005 e 2018.

“Já estamos conversando com os líderes para ver quais serão as medidas. O Partido dos Trabalhadores vai cobrar uma auditoria da auditoria do BNDES. E também acho fundamental o TCU auditar essa auditoria”, declarou a deputada.

A presidente do PT alega que a “história” da caixa-preta foi uma tentativa de criminalizar a sigla. “Fomos vítimas de uma ação orquestrada contra as ações e operações do BNDES, levando a entender que eram irregulares. O que tinha na realidade era o objetivo de criminalizar uma política de desenvolvimento.”

 

O economista Paulo Rabello de Castro, que presidiu o BNDES entre junho de 2017 e abril de 2018, disse ter ficado “surpreso” com o valor de R$ 48 milhões pago pelo banco a um escritório estrangeiro com o objetivo de fazer uma auditoria na instituição. Segundo ele, a cifra desembolsada é de “quatro a cinco vezes maior” que o aprovado em sua gestão. Foram oito páginas de auditoria (R$ 6 milhões por página), que curiosamente não encontrou irregularidade alguma, após uma campanha para associar os governos do PT e Temer a ilegalidade no banco.

Rabello afirmou que enviou uma carta ao atual presidente do BNDES, Gustavo Montezano, pedindo a divulgação e o esclarecimento de informações sobre o contrato mais o valor inicial e a realização de eventuais aditivos (com a respectiva justificativa).

“Sugiro na carta que ele esteja preparado para informar. Ele não é o BNDES aberto? Ele já deve estar com tudo isso pronto hoje à tarde. Se fosse na minha gestão, eu estaria. Não há o que esconder aí”, afirma o ex-presidente, conforme relato do jornal O Estado de S.Paulo.

Montezano, que está em Davos (Suíça) participando do Fórum Econômico Mundial, disse nesta quarta-feira (22) que 90% da auditoria contratada estavam concluídos quando assumiu a instituição, em julho do ano passado. “Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou.

Rabello afirmou que o fato de a auditoria não ter encontrado indícios de irregularidades é uma “boa notícia” que foi “chamuscada” pelo valor do contrato. “O valor foi multiplicado, e eu não sei explicar. Não foi na minha administração”, frisou. “Na nossa gestão, os valores então apresentados pelo contratado eram altamente justificáveis, dentro do padrão normal.”

error: