Como um vírus mortal abalou a economia asiática nos anos 2000 | Claudio Tognolli

As economias asiáticas ainda estavam lutando para se recuperar da crise financeira que atingiu a região em 1997 e do estouro da bolha da internet quando a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) se fez notar pela primeira vez em novembro de 2002.

A morte de um agricultor em Guangdong, na China, causada por um vírus misterioso semelhante ao da gripe, seria o catalisador do terceiro grande evento econômico a atingir a região, pois o tipo de pneumonia que o afligia – mais tarde denominada Sars – rapidamente se tornou uma epidemia.

Pessoas começaram a adoecer em várias grandes cidades chinesas, incluindo Xangai e Pequim. Dentro de algumas semanas, o vírus havia atravessado fronteiras, inicialmente para Vietnã, Hong Kong, Taiwan, Cingapura e depois para mais longe. Dezenas de mortes foram relatadas.

De repente, muitas cidades asiáticas normalmente movimentadas ficaram estranhamente silenciosas. Bairros comerciais e shopping centers foram esvaziados, viagens corporativas foram substituídas por teleconferências, viagens de turismo foram adiadas.

Aeroportos e portos usavam imagens térmicas para rastrear viajantes possivelmente infectados. Pessoas que entraram em contato com casos suspeitos de Sars foram colocadas em quarentena, e as que relataram sintomas semelhantes aos da gripe foram aconselhadas a ficar em casa. Aqueles que se aventuravam a sair, o faziam com máscaras faciais; os táxis só podiam atrair passageiros se dirigissem com as janelas abertas.

O professor da Universidade de Hong Kong Yue-chim Richard Wong foi coautor de um artigo sobre o impacto econômico da Sars na região semiautônoma chinesa. O texto descrevia como o centro financeiro estava apenas começando a ver sinais de recuperação econômica quando o vírus eclodiu.

“O surto de Sars atingiu Hong Kong num momento muito ruim”, escreveu YC Richard Wong. “A demanda doméstica entrou em colapso antes de ter uma chance de recuperação. O consumo local e a exportação de serviços relacionados ao turismo e às viagens aéreas foram severamente afetados.”

Turismo dizimado

A China viu a receita do turismo estrangeiro cair até 60% em 2003, enquanto Hong Kong registrou uma queda de 60% no número de turistas no auge da crise. Cingapura e Coreia do Sul testemunharam quedas de 40%, e Tailândia e Malásia registraram retrações de mais de um terço.

As taxas de ocupação nos hotéis de Hong Kong caíram de cerca de 79% em março para apenas 18% em maio; e o número de passageiros de companhias aéreas transportados de e para o aeroporto internacional da cidade caiu mais de três quartos durante a epidemia.

Milhares de voos regionais foram cancelados devido à falta de demanda – somente as companhias aéreas de Taiwan suspenderam quase 800 voos, ou 23% de sua programação normal, no auge do surto. A rede de transporte público de Hong Kong registrou uma queda de 50% no número de passageiros durante o mesmo período.

Por toda a Ásia, hotéis, restaurantes, cinemas e outros locais de entretenimento lutaram para atrair público suficiente para manter seus negócios, e grandes eventos, incluindo concertos musicais e convenções, foram cancelados.

Os economistas estimaram que a Sars foi responsável por uma redução de 1% a 2% no crescimento econômico da China e de 0,5% no do Sudeste Asiático em 2003. Um relatório do Centro de Desenvolvimento Internacional disse que a epidemia causou uma perda de 25 bilhões de dólares à economia chinesa. Outro estudo da Universidade Griffith, da Austrália, estimou o impacto global entre 30 bilhões e 100 bilhões de dólares.

Temperatura de viajantes é checada em aeroportos e portos chinesesAssim como em 2003, temperatura dos viajantes é checada em aeroportos e portos chineses

Efeitos subsequentes

A perda econômica no marco zero da Sars – a cidade chinesa de Guangzhou – foi estimada em 1,6 bilhão de dólares. O efeito indireto também foi sentido pelo setor manufatureiro chinês, com as remessas da província de Guangdong para Hong Kong caindo um terço.

A Sars piorou a situação de um mercado de trabalho já enfraquecido, fazendo com que muitas empresas do setor de varejo, alimentos, bebidas e turismo demitissem funcionários em toda a Ásia. Empresas de Taiwan introduziram um sistema de compartilhamento de empregos, enquanto o governo de Cingapura compensou parte do impacto com um pacote de ajuda no valor de 170 milhões de dólares.

A epidemia foi agravada por uma enorme tentativa de ocultação por parte dos chineses. Inicialmente, autoridades de saúde fracassaram em alertar a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre vários outros casos em Guangdong, o que poderia ter impedido a propagação do vírus e reduzido o grau de alarme generalizado, descrito por pesquisadores da Universidade Griffith.

“Devido à falta de informações oficiais confiáveis [na China], boatos sobre a epidemia se espalharam, […] todos os tipos de rumores exacerbaram a disseminação do pânico social e […] uma escalada da compra de medicamentos por pânico”, relataram os pesquisadores num relatório que comparava a forma de lidar com a Sars na China com um surto posterior da gripe aviária H7N9.

Durante o surto de nove meses, mais de 8 mil casos de Sars foram confirmados e 775 pessoas morreram – 648 delas na China e Hong Kong. O surto, que se espalhou para uma dúzia de países, acabou tão rapidamente quanto surgiu.

A maioria das economias asiáticas se recuperou – a demanda do consumidor e o turismo retornaram rapidamente. A China, no entanto, enfrentou pressão internacional para melhorar sua transparência, preparação e resposta a surtos de doenças infecciosas.

Desde então, a nação mais populosa do mundo é elogiada por sua rápida resposta a surtos de gripe aviária.

Repetições históricas

Ainda assim, quase 20 anos após a Sars, o país enfrenta uma emergência de saúde semelhante, depois que centenas de casos de um novo coronavírus surgiram na cidade de Wuhan. O vírus respiratório já matou 17 pessoas, infectou mais de 600 e se espalhou para outras cidades chinesas e pelo menos quatro outros territórios asiáticos.

Autoridades de saúde chinesas estão enfrentando uma batalha árdua para conter o novo vírus, já que ele eclodiu durante a maior migração humana anual, quando centenas de milhões de pessoas voltam para casa no Ano Novo chinês.

“A má gestão do surto de Sars é claramente um fantasma que o governo teme, e as próximas semanas mostrarão o quanto de aprendizado em gestão e mecanismos de resposta a crises surgiu desde a epidemia de 2003”, disse à DW o especialista Nis Grünberg, do Instituto Mercator de Estudos da China, em Berlim.

“Com o [presidente chinês] Xi Jinping pedindo [em 20 de janeiro] a todas as autoridades que tratem o assunto como uma crise nacional, pode ser que a vontade política e os recursos necessários sejam liberados para limitar a disseminação”, acrescentou.

Rajiv Biswas, economista-chefe do portal IHS Markit na Ásia-Pacífico, disse na nota de uma pesquisa que as “consequências econômicas” do novo coronavírus “podem ser extremamente preocupantes para a região da Ásia-Pacífico”.

Ele observou que, desde a epidemia de Sars, aumentou o turismo internacional por parte de cidadãos chineses, de modo que os riscos do vírus se espalharem pelo mundo “se tornaram ainda mais graves”.

Assim como no caso da Sars, ele disse acreditar que o setor de varejo, alimentos e bebidas, conferências e eventos esportivos (como as Olimpíadas de Tóquio), turismo e aviação comercial podem ser potencialmente os mais afetados por uma epidemia mais ampla.

error:

Notice: Undefined index: prnt_scr_msg in /var/www/wp-content/plugins/wp-content-copy-protector/preventer-index.php on line 171