Brasil destina 2% do PIB para combate ao coronavírus. Na Europa chega a 17% | Claudio Tognolli

 Levantamento feito pelo banco BTGPactual apontou que as medidas anunciadas pelo Ministério da Economia e pelos bancos públicos para enfrentar o coronavírus totalizam cerca R$ 478 bilhões. De acordo com o  Observatório de Política Fiscal do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), da Fundação Getulio Vargas, como essa medida não tem natureza fiscal e o governo só deve participar dela na medida em que os bancos públicos forem mais arrojados, o valor anunciado representa 2,86% do PIB. Descontadas antecipações de despesa, são 2,05% do PIB.

A cifra de quase R$ 480 bilhões não é referente ao gasto total do governo, porque algumas dessas medidas representam o adiamento de pagamentos ou a antecipação de transferências de renda que ocorreriam de qualquer forma neste ano.

O governo dos Estados Unidos trabalha com um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões (cerca de R$ 10 trilhões, valor que supera o PIB do Brasil, de R$ 7,3 trilhões em 2019). Os dados foram publicados no jornal Folha de S.Paulo.

Responsável pelo estudo do Ibre, o economista Manoel Pires afirma que nos EUA os estímulos correspondem a 6,3% do PIB daquele país. Na Inglaterra, são 17% do PIB. Na Alemanha, 12%.

No Boletim Macro divulgado nesta quarta-feira (25), o Ibre diz haver uma preocupação à capacidade de as medidas anunciadas pelo governo brasileiro darem uma rede de proteção social adequada.

“Principalmente para trabalhadores informais, pela dificuldade de chegar a eles e porque o valor que se propõe transferir é muito baixo, não substituindo senão uma parcela pequena da renda.”

error: