BNDES – Funcionários nas redes sociais expondo insatisfação com Joaquim Levy – Claudio Tognolli

Diversos grupos de funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vêm utilizado as redes sociais para expor sua insatisfação com o presidente da instituição, Joaquim Levy, em função de uma declaração à imprensa sobre a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) acerca da Operação Bullish. Segundo ele, BNDES criou uma área de compliance e que, por isso, não causava surpresa terem sido encontradas “coisas esquisitas”.

A operação Bullish foi deflagrada em maio de 2017 pela Polícia Federal com o objetivo de apurar irregularidades em operações efetuadas pelo BNDES. Ao todo, cerca de 40 funcionários da instituição prestaram depoimentos e a então presidente do banco, Maria Silvia Bastos Marques, pediu demissão do cargo poucos dias após o início da operação. A denúncia formulada pelo MPF na última quinta-feira (14) abrange 11 pessoas, entre elas os ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega, além do ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho.

“Até 2016, não tinha área de ‘compliance’. Engraçado. Que surpresa terem acontecido coisas esquisitas, né?! Não tinha área de ‘compliance’…”, disse Levy no dia seguinte à apresentação da denúncia pelo MPF. Ele, porém, não detalhou o que seriam as “coisas esquisitas”.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, os funcionários destacam nos grupos que o BNDES possui atividades de controladoria desde 2001 e que estas ações teriam sido incorporadas em 2007 pela Área de Gestão de Riscos (AGR). Ainda segundo estes funcionários, Levy estaria praticando “fogo amigo” contra a instituição.

Na última sexta-feira (15), funcionários do BNDES fizeram um protesto contra a denúncia do MPF que reuniu cerca de 600 pessoas, na sede do banco, no Rio de Janeiro.

error:
0