A investigação sobre movimentações financeiras suspeitas do assessor de Flavio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, será transferida para a Procuradoria-Geral da República (PGR | Claudio Tognolli

A investigação sobre movimentações financeiras suspeitas do assessor de Flavio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, será transferida para a Procuradoria-Geral da República (PGR), por deslocamento de competência. No gabinete do procurador-geral de Justiça Eduardo Gussem, encontram-se todas as investigações de fraudes de assessores de deputados da Assembleia Legislativa do Rio, mas algumas delas deverão ser ‘deslocadas’ em função de foros específicos dos acusados. 

A reportagem do jornal O Globo destaca que “como na lista do Coaf aparecem dez deputados estaduais que não se reelegeram, Gussem deverá encaminhar os casos à Procuradoria da Tutela Coletiva da Capital, para livre distribuição entre os promotores de primeiro grau. No gabinete do procurador-geral, só ficarão os casos de deputados estaduais que se reelegeram e permanecerão na Alerj.”

Segundo a matéria “o Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) estuda ainda fazer o mesmo levantamento em todas as câmaras municipais. Um dos possíveis crimes que as movimentações atípicas podem indicar é a cobrança de parte dos salários de servidores por parlamentares.”

error:
0