"A agricultura não pode ser a vilã do clima", diz Tereza Cristina | Claudio Tognolli

Deutsche welle

 

Em visita a Berlim, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira (16/01) que apenas pequenos agricultores produzem na Amazônia e que o setor da agricultura não pode ser visto como o vilão do clima. As declarações foram feitas durante o plenário de abertura do Fórum Global para Alimentação e Agricultura (GFFA), do qual a ministra participou a convite do governo alemão.

“A agricultura brasileira não é feita na Amazônia. Apenas 10% da agricultura brasileira de pequenos agricultores, de muito pequenos agricultores, é que está na Amazônia, no bioma amazônico”, disse a ministra, arrancando gritos de “é mentira” da plateia.

A ministra não citou a fonte dos dados, mas de acordo com um relatório do Ministério Público Federal de 2015, cerca de 19% da Amazônia foi desmatada no país, sendo que 80% desta área desmatada foi transformada em pasto para a pecuária. O documento ressalta que 16% de todo o bioma amazônico seria ocupado por essa atividade agrícola.

“O grande desafio nosso é colocar esses pequenos produtores nos sistemas de produção moderno e sustentável”, acrescentou no evento organizado pelo Ministério para Alimentação e Agricultura da Alemanha.

Tereza Cristina disse ainda que colocar a produção agropecuária como vilã tem impossibilitado um debate na perspectiva do que deveria ser feito em relação ao clima incluindo outros aspectos.

“As emissões vêm da matriz energética do mundo. A agricultura só emite 11% das emissões de efeito estufa. A agricultura não pode ser a vilã. A agricultura é uma coisa nobre”, destacou.

Em 2014, o relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) indicava que a agricultura era responsável por entre 10% e 12% das emissões globais de gases do efeito estufa. Num relatório mais recente de agosto, o painel inclui outros usos de solo, como silvicultura, e afirma que todos os tipos de uso de solo emitem 23% do total de gases responsáveis pelo aquecimento global. De acordo com Instituto de Recursos Mundiais (WRI), os maiores emissores neste setor são China, Índia, Brasil e Estados Unidos.

Ao comentar os desafios causados pelas mudanças climáticas, Tereza Cristina disse que é preciso “ter equilíbrio” e diálogo entre “ciência, agricultura, meio ambiente e consumidor” para encontrar “um caminho ideal para que produtores continuem a produzir e consumidores saibam de onde veio e como o produto foi produzido”.

Além da ministra, participaram do plenário de abertura do fórum, cujo tema deste ano é o papel do mercado para uma alimentação segura, diversa e sustentável, Jan Bock, diretor de compras da rede de supermercados Lidl, Joachim von Braun, pesquisador da Universidade de Bonn e vice-presidente da ONG Welthungerhilfe, e Erthatin Cousin, ex-diretora-executiva do Programa Alimentar Mundial da ONU.

Após Bock citar o aumento das queimadas na Amazônia no ano passado e a demanda de consumidores europeus por soja não transgênica e por produtos locais, a ministra defendeu um equilíbrio na agricultura mundial, afirmando que o que é produzido depende do que o mercado exige.

Braun também citou o aumento do desmatamento no passado ao falar sobre agricultura sustentável. “Entre 2004 e 2017, o Brasil mostrou que é possível ter mais floresta e mais alimentos. Sustentabilidade é mais um problema de políticas públicas do que do comércio”, afirmou o pesquisador.

Durante a sua fala, a ministra defendeu também a aplicação da ciência para enfrentar os desafios do futuro da agricultura, o aumento da participação de mulheres e jovens no setor e a integração do pequeno agricultor para garantir a segurança alimentar e a sustentabilidade ambiental

Questionada sobre os impactos do acordo comercial anunciado entre a China e os Estados Unidos para o agronegócio brasileiro, a ministra afirmou que o pacto pode reduzir as exportações para o país asiático, mas que é preciso ter cautela. “Claro que o acordo traz alguma preocupação para o Brasil”, acrescentou.

Protesto na chegada

A ministra foi recebida com um protesto diante do local do fórum em Berlim. Cerca de 20 manifestantes participaram do ato em repúdio ao convite do governo alemão a Tereza Cristina para participar do plenário de abertura do evento, que reúne representantes de mais de 70 países.

Para Christian Russau, da Associação dos Acionistas Críticos da Alemanha, o convite é um escândalo devido ao recorde na liberação de agrotóxicos no ano passado no Brasil e às políticas do governo brasileiro que vão contra os direitos humanos e dos indígenas. “É um escândalo convidar alguém que representa o pior dos latifúndios do Brasil”, disse.

Além de alemães, brasileiros e participantes do fórum também se juntaram ao protesto. “É incoerente um governo como o alemão, que se coloca como defensor dos direitos humanos e de questões climáticas, trazer a representante de um governo que só traz inúmeros malefícios para povos e comunidades tradicionais e que defende a liberação de agrotóxicos sem respeito a questões ambientais e de saúde. Isso passa uma ideia de apoio, o que é triste de ver”, afirmou Veruska Prado Alexandre Weiss, pesquisadora da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Manifestantes receberam a ministra diante do local do evento em BerlimManifestantes receberam a ministra diante do local do evento em Berlim

Camila de Abreu, da Iniciativa Brasil em Berlim, disse que o convite é revoltante. “Temos a impressão de que os governos europeus estão se aproveitando da tomada do governo brasileiro pela extrema direita para tentar passar o acordo [comercial da União Europeia] com o Mercosulsem discussão”, opinou

Crítica do Partido Verde

O deputado Uwe Kekeritz, porta-voz de políticas de desenvolvimento da bancada do Partido Verde no Bundestag (Parlamento alemão), também divulgou uma nota condenando a decisão do governo alemão.

Ele criticou o fato de Berlim ter convidado uma ministra do governo de extrema direita de Jair Bolsonaro que representa “uma agricultura baseada em monoculturas orientadas para a exportação, plantas geneticamente modificadas e uso massivo de pesticidas” para um debate sobre sustentabilidade ecológica e social.

error:

Notice: Undefined index: prnt_scr_msg in /var/www/wp-content/plugins/wp-content-copy-protector/preventer-index.php on line 171