A ACEFALIA PRESIDENCIAL JÁ SE ALONGOU DEMAIS: O BRASIL NÃO PODE PERMANECER INDEFINIDAMENTE EM COMPASSO DE ESPERA, SE DESINTEGRANDO: Celso Lungaretti | Claudio Tognolli
celso lungaretti
QUANDO A DEGRADAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA DE UM POVO 
EXCEDE O TOLERÁVEL, AS MUDANÇAS PODEM SER VERTIGINOSAS

Volta e meia a vida se solta

E vem a reviravolta
E nada volta ao lugar
(Sérgio Ricardo)
Após a abdicação do tzar em fevereiro de 1917, os bolcheviques eram força minoritária, quase insignificante, no poderoso soviete de Petrogrado. 
 
Daí a grande maioria dos delegados (liberais, mencheviques e sociais-revolucionários) ter caído na gargalhada quando, à pergunta retórica de um orador sobre se existia alguma força política apta a assumir o poder naquele instante, em substituição ao governo provisório encabeçado por um príncipe latifundiário, Lênin respondeu que seu partido estava preparado para tanto. 
 
Nem meio ano depois, ficou comprovado que não se tratara de uma bravata. 
 
É que, nos momentos em que a dinâmica das lutas políticas e sociais se acelera, as situações e as correlações de força mudam tão depressa que nós mesmos, os revolucionários, temos dificuldade para absorver e interpretar tudo que estamos fazendo e tudo que sucede a nosso redor. Foi assim em 1968, quando mal conseguíamos refletir sobre aonde nos levavam as respostas de bate-pronto que dávamos aos desafios surgidos a cada dia. 
 
Muitos partidos e organizações de esquerda acabavam se dando conta de que, levados pelas circunstâncias, haviam adotado táticas contraditórias com suas definições estratégicas sobre:
— se a revolução brasileira teria caráter democrático-burguês ou socialista;
— se na vanguarda estaria o povo ou o proletariado;
— se haveria o recurso às armas ou as flores venceriam o canhão;
— se o foco principal seria o campo ou as cidades, etc.  
 
Então, conforme já fora detalhado neste artigo, o significado maior da tríplice derrota de Jair Bolsonaro na última 3ª feira (10)  foi o de acelerar ainda mais a queda galopante de seu prestígio, aproximando-o da inevitável derrocada, pois já perdeu todas as condições reais de conduzir o país em meio 
à pandemia que nem de longe está controlada; e à depressão econômica que tende a atingir o ápice no próximo semestre (o recente e injustificado otimismo nos mercados já ficou para trás e as previsões para 2022 são nefastas).
 
Se não houver impeachment, é porque demora mais do que os brasileiros conseguirão suportar, após uma década perdida e dois anos e meio catastróficos. A explosão social chegará antes.
 
O quadro é tão dramático que há bom tempo eu aposto antes numa renúncia presidencial ou em qualquer filigrana jurídica (na linha das famosas  pedaladas fiscais…)  que os doutos garimpem para responder a esta situação imensamente mais grave que a incompetência de Dilma Rousseff: o clamoroso desequilíbrio mental que Bolsonaro já demonstra e tende a acentuar-se cada vez mais, à medida que seu arremedo de governo afunda. 
 
Quando a degradação das condições de vida de um povo excede o tolerável, as mudanças podem ser vertiginosas. Quem (sobre)viver, verá. (por Celso Lungaretti)
error: